‘Perda de carga’ causou apagão no Norte e no Nordeste, diz ONS

Uma “perda de carga” causou apagão no Norte e no Nordeste do país, informou nesta quarta-feira (21) o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Problema foi registrado por volta de 15h50 e cauxou falta de energia em ao menos 13 estados sem energia.

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que o apagão ocorreu após uma falha na usina de Belo Monte, no Pará. A Centrais Elétricas do Pará (Celpa) informou que um problema na geração de energia da usina de Tucuruí, nordeste do estado, pode ter causado o apagão.

Em nota, a ONS diz estar trabalhando para normalizar funcionamento da usina, que teve 22,5% da carga total comprometida.

Confira nota na íntegra.

Ontem, 21 de março, às 15h48, uma perturbação no SIN causou o desligamento de cerca de 18.000MW, majoritariamente localizados nas regiões Norte e Nordeste, correspondendo a 22,5% da carga total do SIN naquele momento.Em consequência da perda de carga, entrou em funcionamento o primeiro estágio do Esquema Regional de Alívio de Carga do Sistema Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com corte automático de consumidores, no montante de 4.200MW.

Os sistemas Sul, Sudeste e Centro-Oeste ficaram desconectados do Norte e Nordeste.

Às 16h15 já havia sido realizada a recomposição de praticamente toda a carga no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

As equipes do ONS dedicaram-se à recomposição dos sistemas Norte e Nordeste, já em curso.

As causas de desligamento estão sendo investigadas.

G1

No Nordeste, Maia nega pré-campanha na Câmara

 

Em visita a Paraíba, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), concedeu na manhã desta sexta-feira (16) uma entrevista coletiva. Maia negou que a agenda de pré-campanha à Presidência da República esteja interferindo no trabalho realizado na Câmara.

“Do ponto de vista da minha agenda fora de Brasília nada muda, apenas a agenda não será apenas para o estado do Rio de Janeiro, será para Paraíba e para todos os estados brasileiros. Do ponto de vista da rotina como presidente da Câmara nada muda”, explicou.

DESAFIOS DO DEM

Questionado sobre os desafios que o DEM irá enfrentar na presidência da República, Maia afirmou que redução dos gastos públicos, desigualdade, investimentos do setor privado em infraestrutura em todo o país. “Não dá mais para gastar o que a gente gasta”, destacou.

“Se eu fosse escolher um desafio que seria estruturante e definitivo para o futuro do Brasil acredito que é a educação. É claro que para ter condições de fazer esse investimento a gente tem que olhar de forma muito realista, hoje o Brasil não tem recursos para investimento a longo prazo”, disse Maia e ainda reafirmou a necessidade de redução dos custos do Estado e a burocracia.

 

Economia crescerá 2,7% em 2018, prevê órgão ligado ao Senado

A recuperação econômica levou a Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado, a revisar para cima as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país) para 2018. Em relatório divulgado hoje (9), o órgão elevou de 2,1% para 2,7% a estimativa de crescimento da economia para este ano.

Apesar da elevação, a estimativa para 2018 é levemente inferior à projeção de 3% de crescimento divulgada pelo Ministério do Planejamento na semana passada. Em relação ao PIB de 2017, cujo resultado será divulgado em março, o órgão elevou de 0,72% para 1,1% a previsão de crescimento no ano passado.

Segundo a IFI, o crescimento econômico, a inflação sob controle e o aumento de 1,81% no salário mínimo contribuirão para que a equipe econômica cumpra com folga a meta de déficit primário de R$ 159 bilhões em 2018. O órgão estimou que o Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – fechará o ano com resultado negativo de R$ 148,5 bilhões.

O déficit primário é o resultado negativo das contas do governo sem considerar o pagamento dos juros da dívida pública. A previsão da IFI é mais otimista que a apresentada pelo Ministério do Planejamento. Segundo o decreto de reprogramação orçamentária publicado na última sexta-feira (2), o déficit ficaria em R$ 154,8 bilhões, com folga de R$ 4,2 bilhões em relação à meta.

Apesar da melhoria das condições econômicas neste ano, a IFI recomenda a aprovação de reformas estruturais, como a da Previdência Social, para que o ajuste fiscal seja duradouro e as contas públicas não voltem a piorar nos próximos anos. O órgão também advertiu para os riscos de eventuais turbulências eleitorais sobre o crescimento econômico. “É importante ressaltar que existem riscos para a continuidade da recuperação cíclica da economia brasileira, oriundos sobretudo do cenário político-eleitoral em 2018 e do desafio de se reduzir o déficit primário e garantir a sustentabilidade da dívida pública”, destacou o relatório.

Criada em dezembro de 2016 por resolução do Senado Federal, a Instituição Fiscal Independente produz relatórios, notas técnicas, banco de dados e projeções econômicas que são levadas em conta pelos parlamentares na análise de projetos de lei e de medidas do governo. O órgão pode agir tanto por iniciativa própria como quanto por demandas específicas de senadores.

Agência Brasil

Temer inaugura em Pernambuco obra do projeto de integração do São Francisco

 

O presidente Michel Temer informou que vai assinar, ainda nesta sexta-feira (2), a autorização dos estudos para integração das bacias do São Francisco com a Bacia do Tocantins. O anúncio foi feito durante a cerimônia de entrega da Estação de Bombeamento 2 (EBI-2) do Eixo Norte do projeto de transposição do Rio São Francisco, em Cabrobó, Pernambuco.

Segundo o governo, a segunda estação de bombeamento do Eixo Norte, em Cabrobó vai reforçar o abastecimento a 9,2 mil habitantes do município. Com a obra, a água do Rio São Francisco será elevada a 58,5 metros, o equivalente a um prédio de 19 andares. A expectativa é que, até o fim deste ano, mais de 7 milhões de pessoas nos estados de Pernambuco, do Ceará, da Paraíba e do Rio Grande do Norte sejam abastecidas pelas águas do São Francisco.

Números

Acompanhado do ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e do vice-governador de Pernambuco, Raul Henry, Temer voltou ressaltar, desta vez, para uma plateia de prefeitos e trabalhadores da região, os resultados da política econômica do governo como a redução da taxa básica de juros, que caiu de 14,25% para 7%, e a inflação de 2,95%.

Michel Temer também voltou a falar sobre a importância da aprovação da reforma da Previdência. O presidente lembrou que nada mudará para os trabalhadores rurais e para os assistidos pelo benefício de prestação continuada (BCP).

O presidente esclareceu que apenas quem ganha mais de R$ 5.645 por mês sentirá os efeitos da reforma. “Nós queremos igualar os servidores públicos, que muitas vezes se aposentam com R$ 30 (mil), R$ 33 mil com os trabalhadores da iniciativa privada, ou seja, todos vão se aposentar com R$ 5.645, inclusive a classe política”, explicou.

Agência Brasil