Internacional

Bolsonaro fala em fiscalizar crimes e pede “justa remuneração” por “serviços ambientais” prestados pelo Brasil

Em discurso nesta quinta-feira (22) durante a Conferência do Clima, organizada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, Jair Bolsonaro não cumprimentou o presidente americano, como fizeram outras chefes de Estado. O chefe da Casa Branca nem assistiu ao pronunciamento de Bolsonaro, que também disse que o Brasil lidera combate a mudanças climáticas e chegou a pedir “justa remuneração” por “serviços ambientais” prestados pelo País.

Em sua fala de pouco mais de 3 minutos, Bolsonaro destacou efusivamente um papel que seria central no combate às mudanças climáticas por parte do Brasil, algo que não condiz com a realidade nem com a atual imagem do País no mundo.

“O Brasil está na vanguarda do enfrentamento ao aquecimento global”, disse Bolsonaro. “Determinei o fortalecimento dos órgãos ambientais, duplicando recursos para ações de fiscalização”, acrescentou.

Bolsonaro apresentou compromissos como a eliminação do desmatamento ilegal até 2030 e, com isso, a redução de quase 50% nossas emissões até essa data

“Nesse sentido, determinei que nossa neutralidade climática seja alcançada até 2050, antecipando em 10 anos a sinalização anterior. Entre as medidas necessárias para tanto, destaco aqui o compromisso de eliminar o desmatamento ilegal até 2030, com a plena e pronta aplicação do nosso Código Florestal. Com isso reduziremos em quase 50% nossas emissões até essa data”, continuou.

Depois de atacar indígenas várias vezes, em outros discursos, e culpá-los pelas queimadas em florestas brasileiras, Bolsonaro afirmou que devemos aprimorar a governança e tornar realidade a bioeconomia, contemplando “interesses de todos os brasileiros, inclusive indígenas e comunidades tradicionais”.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp