Brasil

Capitã cloroquina segue Pazuello e pede habeas corpus para permanecer em silêncio na CPI

247 – Assim como o general Eduardo Pazuello, a médica Mayra Pinheiro, conhecida como “capitã cloroquina”, também apresentou pedido de habeas corpus ao Supremo Tribunal Federal para permanecer em silêncio durante a CPI da Pandemia. Seu depoimento está marcado para a quinta-feira 20, um dia depois de Pazuello. A informação é do jornalista Nelson Lima Neto e foi publicada no jornal O Globo.

 

“Esse temor se mostra justificado, em decorrência da crescente agressividade com que têm sido tratados os depoentes que ali comparecem para serem ouvidos. A falta de urbanidade no tratamento dispensado às testemunhas, proibindo-as, inclusive, do exercício da prerrogativa contra a auto-incriminação”, diz a petição apresentada por seus advogados.

A médica Mayra Pinheiro foi uma das grandes responsáveis pela distribuição de cloroquina, remédio ineficaz e perigoso, que contribuiu para o genocídio brasileiro. Antes do governo de Jair Bolsonaro, ela se tornou conhecida ao liderar as vaias aos médicos cubanos, que vinham ao Brasil atender pacientes em regiões remotas do País.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp