Ceará

Com pandemia, Ceará tem recorde de desocupação no primeiro trimestre de 2021

Conforme dados oficiais do IBGE, taxa de desocupação no período foi de 15,1%.

 

A taxa de desocupação no primeiro trimestre de 2021 foi recorde no Ceará, atingindo 15,1%. É o maior índice desde 2012, quando foi iniciada a série histórica. O dado foi divulgado nesta quinta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Conforme o órgão, o resultado decorre “dos efeitos da pandemia de Covid-19 sobre o mercado de trabalho”.

No intervalo de um ano, a população ocupada reduziu em 527 mil pessoas no Ceará, chegando ao segundo menor número da série histórica (3,1 milhões). Também se observa na pesquisa queda em relação ao último trimestre de 2020, menos 177 mil pessoas ocupadas. Com isso, menos da metade da população em idade para trabalhar estava ocupada no estado. Nesse 1º trimestre de 2021, o nível de ocupação foi de 40,4%, o menor da série.

A população desocupada estimada em 549 mil pessoas nesse 1º trimestre de 2021, não apresentou variação estatisticamente significativa em relação ao mesmo trimestre do ano passado e, também, em relação ao trimestre anterior.

 

População em idade de trabalhar

A população em idade de trabalhar foi estimada em 7,6 milhões de pessoas. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, observa-se um aumento em 175 mil pessoas. Entretanto, em relação ao trimestre anterior, não houve variação estatisticamente significativa.

 

O número de empregados no setor privado, com carteira de trabalho assinada, foi estimado em 697 mil pessoas, o que representa um percentual de 55,0% dos empregados do setor privado. Em relação ao mesmo período do ano anterior houve perda de 232 mil pessoas (-25%). Também, houve queda em relação ao trimestre anterior, – 95 mil pessoas, ou seja, variação de -12,0%.

 

O Ceará teve o quarto menor percentual do país, as unidades da Federação com os maiores percentuais de empregados com carteira assinada no setor privado foram Santa Catarina (88,4%), Rio Grande do Sul (84,7%), Paraná (83,8%) e São Paulo (82,7%). Os menores percentuais foram do Maranhão (48,0%), Piauí (54,5%) e Pará (54,6%).

Informalidade

Já a taxa de informalidade foi de 53,8% no trimestre encerrado em março deste ano, o que equivale a 1,6 milhão de pessoas sem carteira assinada (empregados do setor privado ou trabalhadores domésticos), sem CNPJ (empregadores ou empregados por conta própria) ou trabalhadores sem remuneração. No trimestre anterior, esse percentual foi 52,94%.

No 1° trimestre de 2021, a taxa composta de subutilização da força de trabalho (percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada) foi de 39,1%.

O percentual de pessoas desalentadas (em relação à população na força de trabalho ou desalentada) no 1º trimestre de 2021 foi de 11,4%.

 

*G1CE


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp