Nordeste

Com queda na ocupação, Wellington Dias aprova plano para desmobilização de leitos emergenciais

A medida se baseia na análise de diversos fatores, como a queda no número de óbitos, reduções no índice de transmissibilidade e de ocupação de leitos

06/08/2020


Em reunião ampliada o Comitê de Operações Emergenciais (COE) para Covid-19 aprovou a deliberação de iniciar a desmobilização de leitos hospitalares criados emergencialmente para aumentar a oferta de vagas durante a pandemia. O plano é rescindir gradativamente os contratos com hospitais privados onde há leitos contratados pelo governo, compensando com novas vagas na rede pública de saúde.

A medida se baseia na análise de diversos fatores, especialmente a queda no número de óbitos, reduções no índice de transmissibilidade e de ocupação de leitos hospitalares. Pelo cronograma elaborado pela equipe técnica, a desarticulação iniciará no dia 12, desativando 10 leitos de UTI e mais 10 leitos clínicos em um hospital particular da capital.

Dia 16 de agosto devem ser desativados 50% dos leitos do Hospital de Campanha do Verdão. Na reunião, ficou acertado que o COE irá avaliar semanalmente a evolução do quadro provocado pelo novo coronavírus e pode rever decisões. “Se acontecer de alguma região registrar crescimento de transmissibilidade ou ocupação de leitos, este mesmo comitê científico pode suspender novas desativações e restabelecer contratos”, ponderou o governador Wellington Dias.

Na reunião, que envolveu representantes dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, polícias, Prefeitura de Teresina e diversas outras instituições, foi apresentado um panorama do enfrentamento à Covid-19 no Piauí. Entre 6 de abril e 3 de agosto, o número de leitos de UTI aumentou de 148 para 458 (209%). No mesmo período, os leitos de estabilização saíram de 26 para 73 (180%) e a quantidade de leitos clínicos passou de 723 para 984, um crescimento de 36%. Atualmente, 61% dos leitos de UTI e 24% dos leitos de estabilização estão ocupados.

O mapa de risco epidemiológico, elaborado com base no índice de propagação do vírus e a capacidade de atendimento da rede hospitalar, aponta que 4 das 8 regiões de saúde estão na faixa de risco médio (Teresina, Floriano, Picos e Bom Jesus); 3 regiões com risco médio-baixo (Parnaíba, Piripiri e São Raimundo Nonato) e 1 região com nível baixo (Oeiras).

A taxa de transmissibilidade do coronavírus, que chegou a 2,95 em maio, reduziu para 0,74 em julho. O número de óbitos também vem caindo: 164 (semana 29), 143 (semana 30), 126 (semana 31) e 47 (semana 32 – ainda em andamento).

Outro ponto de destaque na estratégia de combate à Covid-19 é o programa Busca Ativa que intensificou o rastreamento a eventuais portadores da doença, com auxílio de equipes do Programa Saúde da Família. Em abril, eram dois municípios parceiros. Agora, tem a adesão de 218 prefeituras.

 

“Parabenizo o Piauí que se destaca positivamente no cenário da pandemia, por todas as ações adotadas no enfrentamento ao coronavírus por meio do COE e da Secretaria de Estado da Saúde, que não deixaram o estado entrar em colapso como estados vizinhos”, destacou Carmelina Moura, procuradora-geral de Justiça do Piauí.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.