Nordeste

Covid-19: Comitê Científico do Nordeste quer permanência em isolamento e diz não ao uso da hidroxicloroquina

Comitê reiterou sua posição original e reforçou sua recomendação contra o uso do medicamento.

24/04/2020


Na imagem Miguel Nicolelis, coordenador do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste

O Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste divulgou, nesta sexta-feira (24), novas recomendações a partir dos trabalhos e relatórios em meio à pandemia do novo Coronavírus.

Foi recomendada a  manutenção do Distanciamento Social, com a necessidade de  ampliar significativamente os atuais níveis de distanciamento “sob pena de termos uma catástrofe humanitária sem precedentes na história do Brasil”.

O Consórcio citou o caso da Suécia, que, ao contrário de seus vizinhos da região da Escandinávia, não adotou medidas de distanciamento social no início da pandemia. Como consequência, hoje apresenta um número de óbitos oito vezes maior que Dinamarca e Noruega.

O Comitê ainda pontuou a necessidade de desinfecção de locais públicos e postos rodoviários, com um programa de desinfecção, de veículos de carga e de veículos de passeio por meio de processo de sanitização preventiva em pontos da cidade com maior circulação pública, com adoção de cuidados específicos para não submeter as pessoas aos efeitos adversos de produtos químicos.

Outra medida recomendada foi o uso emergencial de ventiladores de salas cirúrgicas. “O Comitê sugere a adaptação de máquinas de ventilação usadas normalmente em salas cirúrgicas para uso contínuo em UTI’s. Tal solução emergencial foi adotada com sucesso no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e serviu para desafogar a falta de ventiladores nas UTI’s do HC-FMUSP”.

Uso de cloroquina

Citando a hidroxicloroquina, o Comitê reiterou sua posição original e reforçou sua recomendação contra o uso de medicamentos, em qualquer fase da infecção produzida pelo coronavírus, que não possuam embasamento científico ou clínico comprovados.

“Estudos clínicos, em múltiplos países demonstram, categoricamente, a inexistência de qualquer efeito terapêutico destes medicamentos e o gravíssimo risco de morte súbita por parada cardíaca irreversível. O maior instituto de pesquisas do mundo, o National Institute of Health (NIH), anunciou na última quarta-feira, 22 de abril, que estes medicamentos não devem ser usados em pacientes com coronavírus. Ainda seguindo recomendações do NIH, o Comitê reafirma que só devem haver exceções para possíveis estudos clínicos randomizados que sigam todos os procedimentos dos comitês de ética locais”, diz.

Coordenado por Miguel Nicolelis e Sergio M. Rezende, o Comitê conta com a representação de: Adélia Carvalho de Melo Pinheiro (BA); Antônio Silva Lima Neto (CE); José Noronha (PI); Ricardo Valentim (RN); Luiz Cláudio Arraes de Alencar (PE); Sinval Brandão Filho (PE); Marco Aurélio Góes (SE) Marcos Pacheco (MA); Maurício Lima Barreto (BA); Priscilla Karen de Oliveira Sá (PB); Roberto Badaró (BA); e Fábio Guedes Gomes (AL).


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.