Política

Doria diz a deputados da base que PSDB não pode virar um DEM e legenda volta a apoiar Baleia Rossi

Estadão – Por pressão de líderes tucanos, a bancada do PSDB recuou da decisão de neutralidade na eleição da Câmara dos Deputados, sem formar nenhum bloco, e manteve a orientação da direção nacional do partido para formalizar a aliança com Baleia Rossi (MDB-SP), candidato apoiado pela oposição ao governo Jair Bolsonaro. O governador de São Paulo, João Doria, foi um dos que entraram no circuito nesta segunda-feira, dia 1º, para barrar a debandada pró-Arthur Lira (Progressistas-AL), o candidato do presidente Jair Bolsonaro.

A reviravolta, porém, não garante que Baleia terá maioria no partido, porque, segundo deputados, a bancada está rachada com vantagem pró-Lira, e os votos são secretos, não vinculados à orientação partidária.

No entanto, o registro do bloco de Baleia está em suspenso, pois os partidos alegaram problemas técnicos e não conseguiram formalizar a aliança a tempo. O prazo se encerrou ao meio-dia. O imbróglio está sendo discutido com a área técnica da Câmara e a Mesa Diretora, presidida por Rodrigo Maia (DEM-RJ), artífice da candidatura do emedebista.

Se as assinaturas forem aceitas, o bloco deve ser integrado por PSDB, MDB, Cidadania, PV, Solidariedade, Rede, PT, PSB, PDT e PCdoB. O DEM ficou de fora, não integrando nenhum bloco, porque a maioria dos deputados prefere votar em Lira.

Mais cedo, a bancada do PSDB decidiu seguir o mesmo caminho. Dos 31 deputados, somente 13 declaram abertamente voto em Baleia, segundo dirigentes do partido. Por isso, a bancada decidiu seguir o caminho de “neutralidade” no DEM. A ala lirista do tucanato rejeitava permanecer no bloco apenas ao lado de partidos de esquerda.

Doria chegou a admitir que havia maioria pela neutralidade, mas insistiu para que os deputados mantivessem o compromisso e votassem em Baleia Rossi. A deputados paulistas, Doria argumentou que não poderia deixar o PSDB passar a ser comandado por Lira, a exemplo do que ocorreu com o DEM. Ponderou também que os tucanos estavam aderindo ao Centrão se não honrassem a palavra de apoiar Baleia.

O presidente nacional do partido, o ex-ministro Bruno Araújo, e o líder da bancada, Rodrigo de Castro (MG), iniciaram uma conversa no varejo da bancada, deputado a deputado, para tentar obter uma lista com indicativo de apoio a Baleia, ainda que ela não refletisse as intenções de voto em si.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp