Brasil

Governo Bolsonaro encomendou manual para “tratamento precoce” em novembro de 2020

O Ministério da Saúde encomendou à Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) a elaboração de um manual para o “tratamento precoce” da Covid-19. De acordo com reportagem do jornal O Globo, o pedido foi feito em novembro do ano passado e a pasta indicou o médico Ricardo Zimerman para fazer o material. Ele é conhecido por fazer uso das redes sociais para defender a utilização de medicamentos sem eficácia científica contra o coronavírus e também integrou a equipe que foi enviada à Manaus em janeiro deste ano, durante a crise que levou o sistema de saúde do Amazonas ao colapso.

O manual, que não chegou a ser divulgado, recomendava o uso de medicamentos como a cloroquina, azitromicina e ivermectina, cujo uso não é recomendado pelos principais órgão de saúde mundiais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), e pela própria Opas, em função os riscos de reação adversas e da falta de eficácia contra o coronavírus.

O pedido para a contratação do material foi feito pelo secretário de Ciência e Tecnologia, Inovações e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde, Helio Angotti Neto, por meio de um ofício enviado à representante da Opas no Brasil, Socorro Gross, no dia 9 de novembro do ano passado.

Na ocasião, segundo a reportagem, Angotti, solicitou que a Opas contratasse uma consultoria técnica para a elaboração de três produtos, entre eles o manual de tratamento precoce contra a Covid-19.

A Opas então teria contratado o médico Ricardo Zimerman por R$ 30 mil. Zimerman costuma defender o tratamento precoce e o governo Jair Bolsonaro em suas redes sociais. O manual foi entregue à Opas e ao Ministério da Saúde em janeiro deste ano. O tratamento precoce é uma das questões centrais da CPI da Covid no Senado.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp