Política

Lula defende impeachment de Bolsonaro, diz que País está a deriva e dispara contra Moro e Dallagnol: ‘um é canalha e o outro moleque’

Ex-presidente concedeu entrevista nesta quinta-feira (18) e falou sobre a conjuntura política nacional

18/06/2020


Na imagem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Revista Nordeste

O ex-presidente Luiz Inácio Lula (PT), durante entrevista nesta quinta-feira (18), saiu em defesa do impeachment do atual presidente Jair Bolsonaro, classificando a sua gestão como ‘irresponsável’ e que promove o desgoverno militarizando o País. Em discurso duro, o petista afirmou que a solução para o Brasil é o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), aprovar um dos processos já protocolados na Casa.

Para Lula, Bolsonaro só sabe ”criar uma confusão por dia” ao invés de governar, afirmando que o Brasil está a deriva, sem comandante. Ainda de acordo com ele, se ainda estivesse governando, reuniria os 27 governadores para criar uma comissão de enfrentamento à pandemia do coronavírus sem viés político e controlando a crise sanitária estabelecida no País.

Questionado se uma possível reeleição de Bolsonaro o preocupava, o ex-presidente afirmou que a única preocupação que tem hoje é com o estado em que o brasileiro vive, faltando o básico e ‘passando até fome’. “Eu não tenho nenhuma preocupação com Bolsonaro, eu tenho tristeza pelo Brasil e a situação que hoje está vivendo”, afirmou ele durante entrevista a Rádio Arapuan FM de João Pessoa.

Moro mentiroso e Dallagnol moleque

Lula voltou a chamar o ex-juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, de ”mentiroso” após condená-lo sem ”sem provas”. Segundo ele, Deltan Dallagnol, procurador do Ministério Público Federal (MPF), é um ‘moleque’ e agiu com falsas acusações para atender interesses da ‘Grande Mídia’.

“Moro não foi juiz no meu julgamento, foi um canalha. Dallagnol não foi do Ministério Público, foi um moleque irresponsável. A Polícia Federal também mentiu. O Dallagnol ficou uma hora e meia dando entrevista por Powerpoint dizendo que o PT era quadrilha e o Lula era o chefe. Ele disse ‘não me peçam provas, tenho convicção’”, disse.

“Durmo tranquilo, Moro não. Eu desafio a qualquer um mostrar uma prova, um papel sequer. Não tem. Se não fosse esse coronavírus eu estaria na rua, para ajudar ao povo, para desafiar a qualquer um mostrar uma prova sequer contra mim”, concluiu.

Disparo contra FHC e Ciro Gomes

Durante a entrevista, Lula enquadrou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso por não ter se colocado contra Jair Bolsonaro já nas eleições de 2018. Ele também criticou o ex-ministro Ciro Gomes, que foi para Paris em vez de apoiar Fernando Haddad no segundo turno.

“Agora eles estão ficando com vergonha”, afirmou Lula, que falou ainda: “FHC sempre soube que Haddad é um homem de bem, mas preferiu Bolsonaro”. O ex-presidente disse também que se FHC não tivesse anulado seu voto e Ciro não tivesse ido para Paris, talvez Haddad fosse presidente hoje.

Caso Queiroz

Comentando sobre Fabrício Queiroz, preso nesta quinta-feira (18), Lula questionou o motivo pelo qual a prisão não foi feita pela Polícia Federal, essa que foi envolvida recentemente em rumores de interferência política por parte de Bolsonaro. Ele ainda ironizou a demora para que a prisão fosse efetuada, sendo que o paradeiro de Queiroz estava tão proximamente ligado à família Bolsonaro.

“Tem uma dúvida que me inquieta: por que não foi a Polícia Federal que prendeu o Queiroz? Ele já deveria ter sido preso há muito tempo. Diziam não saber onde ele tava e agora encontraram na casa do advogado do filho do Bolsonaro”, disparou.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.