Nordeste

No Piauí: Governo do Estado busca saídas para a aquisição de medicamentos e reabastecer estoques

26/06/2020


Na imagem o secretário de Saúde do Piauí, Florentino Neto

Para enfrentar o problema de aquisição de medicamentos como analgésicos e sedativos, questão que vem afetando os setores público e privado de todo o país, o Governo do Estado do Piauí e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) vem trabalhando em conjunto com outros estados do Brasil para conseguir a aquisição desses medicamentos através da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no mercado internacional.

LEIA MAIS: Wellington diz que estoque de medicamentos está em ‘situação crítica’ e ‘perigosa’ no Piauí

“O governador Wellington Dias se articulou com o Fórum dos Governadores do Nordeste e eu contactei o Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Juntos, entramos em diálogo com o Ministério da Saúde para que este estabeleça uma ponte com a Organização Pan-americana de Saúde para que possamos adquirir esses medicamentos no mercado internacional e, assim, suprir as deficiências que os nossos setores públicos e privados vêm enfrentando”, explicou o secretário de Saúde, Florentino Neto.

A falta dos medicamentos no mercado nacional está diretamente ligada à pandemia do coronavírus que causou uma redução na produção dos insumos utilizados pelas empresas nacionais para produzir os medicamentos. Por consequência, os fabricantes não conseguiram suprir as necessidades de todo o mercado, causando a falta destes remédios.

A fim de manter o atendimento à população, o estado do Piauí tomou algumas medidas para que a população e os atendimentos médicos que necessitem desses medicamentos não sejam tão afetados.

“Nós nos organizamos para procurar esses medicamentos pelo mercado, o que possibilita aos nossos fornecedores entrar em contato com outras fontes para tentar adquirir os medicamentos. Além disso, garantimos protocolos de atendimentos e utilização de outras composições medicamentosas na nossa rede que nos permitam manter a assistência a todos os nossos pacientes”, completou Florentino Neto.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.