menu

Brasil

18/11/2013


Aécio diz não comemorar prisão de condenados do mensalão

Política

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), provável candidato do PSDB à Presidência da República, lamentou, nesta segunda-feira, a prisão de membros do PT condenados pelo mensalão, mas não poupou críticas aos adversários políticos.

— Nenhum de nós comemora prisões, o sofrimento de qualquer um que seja, por mais radical adversário que seja — disse ele antes de um ato do partido em Poços de Caldas (MG).

O senador, que preside nacionalmente o PSDB, disse lamentar que o presidente nacional do PT, Rui Falcão, tenha considerado as prisões como políticas.

— Lamento que o presidente do PT confunda decisão da Suprema Corte com decisão política. Não contribui para a democracia um partido querer transformar esse caso em fato político — afirmou.

Na resposta, no entanto, Aécio rebateu apenas Falcão e evitou comentar a pergunta de jornalistas sobre a avaliação dele da afirmação do ex-ministro José Dirceu que, ao ser preso, pediu um julgamento semelhante para o mensalão mineiro. Para o senador, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de prender os condenados no mensalão "vai ao encontro de grande expectativa da sociedade brasileira, sobre o qual tinham provas definitivas".

— O que nos preocupava era o sentimento de impunidade, era o adiamento dessas decisões, mas, felizmente, as instituições são sólidas — concluiu.

Ao deixar o local reservado para entrevistas, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse, ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, que subscrevia o que Aécio tinha dito sobre as prisões. Já o governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que "decisão judicial se cumpre" e também evitou se aprofundar sobre as eventuais implicações ao PSDB, no julgamento do mensalão mineiro.

— Não é questão político-partidária; é institucional — frisou.

Notícias relacionadas