menu

Brasil

08/06/2016


Agente ‘Japonês da Federal’ é preso no Paraná

O agenda da Polícia Federal Newton Ishii, que ficou conhecido como o 'Japonês da Federal' ao conduzir presos da Operação Lava Jato, foi preso em Curitiba na tarde desta terça-feira 7, informou a PF.

Ele havia sido condenado a quatro anos e dois meses de prisão, em 2003, no âmbito da Operação Sucuri, que apurava o envolvimento de agentes na facilitação da entrada de contrabando no País, segundo seu advogado, Oswaldo de Mello Junior.

A investigação corre sob segredo de Justiça. Ainda de acordo com o advogado, a pena será cumprida em regime semiaberto.

Ele está detido neste momento na Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense. O mandado de prisão contra Ishii foi expedido pela Vara de Execução Penal Justiça Federal de Foz do Iguaçu.

Segundo a Operação Sucuri, da PF, o Japonês da Federal facilitava a entrada de contrabando no país, pela fronteira com o Paraguai, em Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná.

Numa das gravações que levou o ex-senador Delcídio Amaral à prisão, em novembro de 2015, também foi declinado o nome de Ishii — identificado como “japonês bonzinho” — como agente que vaza e vende informações da Lava Jato às revistas semanais.

O áudio abaixo é fruto da conversa entre Delcídio, o filho de Nestor Cerveró, Bernardo Cerveró, e o advogado Edson Ribeiro, que menciona a existência de um carcereiro da Polícia Federal que seria responsável por vazar informações sigilosas das investigações da Lava Jato para a imprensa e cobrar pelo “serviço”.

A seguir, trecho da conversa gravada:

BERNARDO: os caras não tinham uma escuta em cima da.. da cela?

DELCÍDIO: Alguém pegou isso aí e deve ter reproduzido. Agora quem fez isso é que a gente não sabe.

EDSON: É o japonês. Se for alguém é o japonês.

DIOGO: É o japonês bonzinho.

DELCÍDIO: O japonês bonzinho?

EDSON: É. Ele vende as informações para as revistas.

BERNARDO: É, é.

Notícias relacionadas