menu

Brasil

22/01/2016


Ao som de gritos de “Volta para casa”, Dilma recebe apoio do PDT

Em um gesto político importante para o momento, a presidente Dilma Rousseff compareceu nesta sexta-feira (22) na reunião do Diretório Nacional do PDT convocada para confirmar posição contrária ao impeachment. Ao lado do ex-ministro Ciro Gomes, que tem feito recorrentes críticas ao vice-presidente Michel Temer, classificando-o como "capitão do golpe", e do presidente do PDT, Carlos Lupi, Dilma fez homenagens a lideranças históricas do partido, como os ex-presidentes Getúlio Vargas e João Goulart, além de Leonel Brizola, fundador da legenda.

Em um movimento de inflexão, Dilma disse aceitar sugestões e críticas. Ela elogiou figuras do PDT dizendo que um dos momentos mais importantes enquanto chefe de Estado foi ter colocado o nome de Brizola entre os heróis da pátria. "Eu tenho certeza de que Brizola defenderia a soberania e a democracia", completou, antes de dizer que Getúlio Vargas construiu o Estado moderno e de que Jango foi um reformista. Ao iG, Carlos Lupi disse que o evento foi importante para "reafirmar o compromisso com a democracia" e "acreditar na honestidade e integridade moral da presidente".

"O PDT nunca lhe faltará", adiantou-se a discursar Lupi, logo na chegada de Dilma ao local do evento, dizendo que o partido fecha questão ao dizer não ao golpe. Ao ouvirem referências do presidente da legenda à contribuição que Dilma teria dado ao partido, os militantes não ficaram calados às invocações de Lupi, e pediram: "Volta pra casa, Dilma". Antes da fala da presidente, como costuma ocorrer em eventos de apoio em que ela aparece, os presentes também entoaram "Não vai ter golpe".

Durante seu discurso, a presidente fez várias menções ao histórico do partido e à luta pela democracia. "Estou muito feliz por estar aqui. Estou lado a lado dos que sempre lutaram pela democracia, resistiram à ditadura", afirmou. Segundo Dilma, o partido passou por uma das primeiras experiências de "tentativa de golpe", quando se tentou articular o impeachment contra Getúlio Vargas.

Quando chegou o momento em que repetiu discursos que vem fazendo, contrários ao impeachment, dessa vez Dilma fez questão de mencionar o partido. "Eu tenho sempre dito, não tenho na minha vida ao longo do tempo que passei no PDT ou, PT, não tenho acusação do uso indevido do dinheiro público, não tenho dinheiro no exterior", disse. Ao concordar com as falas de Lupi, a presidente mencionou a oposição: "Não há nenhuma base para o impeachment, e eles sabem disso e não ligam pra isso. Não gostam de ser chamados de golpistas, mas são".

Ao encerrar a sua fala, agradecendo "imensamente" o apoio recebido, Dilma disse que aceita e precisa de sugestões e críticas. "Teremos, juntos uma grande missão nos próximos dias e meses. Esse jogo vai ser jogado agora, até março, até junho, neste ano de 2016. É aqui e agora que vamos decidir qual é o caminho do Brasil nos próximos anos. Por isso, eu conto com cada um de vocês", rogou.

IG

Notícias relacionadas