menu

Brasil

27/06/2014


Após romper com Dilma, PTB deve confirmar apoio a Aécio

POLÍTICA

Será na convenção nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), que acontece hoje (27) em Salvador (BA), que será confirmado o apoio da legenda à candidatura do senador Aécio Neves (PSDB) nas eleições. O partido surpreendeu o PT ao anunciar, no último sábado (21), que vai se coligar com o candidato tucano, já que integra a base aliada à presidente Dilma Rousseff desde 2011.

De acordo com o G1, a cúpula do PTB alega que o motivo para o desligamento com Dilma são "rupturas" em acordos previamente costurados com o PT em palanques regionais. Segundo o presidente do PTB, Benito Gama, a legenda da presidente da República não cumpriu promessas para apoiar candidatos petebistas em quatro unidades da federação: Roraima, Piauí, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

A decisão do PTB é uma baixa para a campanha da presidente Dilma Rousseff, que contava com o tempo de TV do partido na propaganda eleitoral. Segundo o primeiro-secretário do PTB, Norberto Martins, a legenda deve ter entre 1 minuto e 5 segundos a 1 minuto e 10 segundos nas eleições de outubro.

O tempo exato ainda será definido oficialmente pelo Tribunal Superior Eleitoral e é calculado conforme o tamanho da bancada na Câmara. Atualmente, o PTB tem 17 deputados federais em exercício.

Apesar de o presidente do PTB já ter anunciado o apoio a Aécio, integrantes do antigo integrantes da base governista advertiram que pretendem manifestar na convenção nacional sua insatisfação com a decisão da cúpula. Na última quarta-feira (25), o líder do PTB na Câmara informou que sua bancada cogita apoiar informalmente a tentativa de reeleição de Dilma, independentemente do resultado da convenção.

Na visão de Benito Gama, mesmo que haja uma ala de dissidentes, é "pouco provável" que os cerca de 360 participantes da convenção decidam rever a aliança com o candidato tucano.

“Isso aí [apoio a Aécio] representa a maioria da convenção, então não se espera nenhuma mudança”, disse Gama ao G1. “Sempre há uma dissidência, mas eu penso que não tem como reverter o que decidimos”, complementou.
De acordo com o presidente do PTB, a bancada do partido na Câmara está dividida “meio a meio” em relação à ruptura com o PT. Já o líder da bancada petebista assegura que apenas um dos 21 deputados federais da legenda é favorável à coligação com Aécio.

Na hipótese de o partido confirmar o apoio à candidatura tucana, deputados do PTB afirmam que tentarão "puxar" seus votos para Dilma. A bancada se reúne na próxima quarta (2) para definir qual candidato irão apoiar na corrida pelo Palácio do Planalto.

Na avaliação do presidente do PTB, os seis senadores do partido também estão divididos em torno da aliança para a eleição presidencial.

O líder do PTB na Câmara acredita que, mesmo com a insatisfação de parte dos parlamentares com a aliança com Aécio, é pequena a chance de a convenção mudar a decisão já anunciada pelo presidente do partido.

“A maior parte da bancada não vai participar da convenção. Quando ocorrem as convenções, geralmente já está tudo resolvido. Dificilmente, seria possível alterar o resultado”, ponderou Jovair Arantes.

O senador Gim Argello (PTB-DF), que era um dos apoiadores do governo Dilma, também dá como certo o apoio à candidatura de Aécio. No final de 2013, em almoço com Dilma, Gim pediu que o partido ganhasse o comando do Ministério da Integração Nacional, mas não obteve sucesso. “Não acredito que haja mudança na posição do partido na convenção nacional”, disse ao G1 o senador do Distrito Federal.

 

(G1 com WSCOM)

Notícias relacionadas