menu

Brasil

13/03/2015


Atos públicos em defesa da Petrobras atingem 11 estados

As manifestações em defesa da Petrobras, convocadas por centrais sindicais para esta sexta-feria, 13, estão ocorrendo em pelos nove estados: Paraná, Bahia, Amapá, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Pernambuco, Maranhão, Goiás, Mato Grosso do Sul e Alagoas. São previstos protestos em 29 cidades. Além da defesa da empresa, os manifestantes também reivindicam os direitos da classe trabalhadora, a reforma agrária e a reforma política.

Em Goiás, trabalhadores ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) começam a se reunir na Praça Cívica, em Goiânia, onde está marcada manifestação. Segundo a PM, até o momento participam do ato cerca de cem pessoas. Já a CUT estima 300 manifestantes.

Em Paulínia (SP), o Sindicato dos Petroleiros Unificados faz manifestação em frente à Replan (Refinaria de Paulínia). A unidade é a maior em quantidade de refino de petróleo da Petrobras. Segundo Rogério Santa Rosa, diretor do sindicato, cerca de 500 funcionários do turno da manhã participam da manifestação em defesa da companhia e da reforma política nacional. Depois da manifestação, os sindicalistas devem ir para São Paulo participar do ato sindical na avenida Paulista.

No Rio, funcionários do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj) realizavam na manhã desta sexta-feira (13) um protesto na Refinaria de Duque de Caxias (Reduc) às margens da Rodovia Washington Luis (BR-040). A Polícia Militar reforçou a segurança no local e acompanhava o ato.

Na Bahia, entre 600 e 800 pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar, participam da mobilização. Cerca de 45 policiais acompanham os manifestantes, que fazem uma ação pacífica até o momento. A mobilização está parada em frente à sede da Petrobras, em Salvador, no bairro do Itaigara. Líderes das centrais sindicais estão em cima de um trio convocando trabalhadores. O protesto não atrapalha o trânsito na região.

Em Araucária, região Metropolitana de Curitiba, cerca de 200 manifestantes se reuniram em frente à Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar). Segundo a Polícia Rodoviária Federal, não houve interrupção no trânsito. O intuito foi convocar os trabalhadores do setor para a manifestação das 17h, na Praça Santos Andrade, no Centro de Curitiba.

No Centro do Recife, a Rua do Hospício foi interditada no sentido Olinda, junto à Câmara dos Vereadores e ao Parque 13 de Maio, devido à concentração para o ato. "A burguesia está fazendo todo esse processo para enfraquecer a Petrobras, sangrar a Petrobras, para privatizar para eles. A Petrobras é nossa e nós vamos defendê-la. Somos também contra a corrupção e para isso é preciso a reforma política real e efetiva para que o povo possa de fato participar", afirma Jaime Amorim, membro da direção do MST em Pernambuco.

Integrantes da CUT se concentram na Praça da Bandeira, no Centro de Macapá, para dar início a caminhada pelas ruas da capital até o parque do forte, na orla da cidade.

Notícias relacionadas