menu

Brasil

16/12/2014


Brasileira refém em cafeteria passará por cirurgia

A brasileira Márcia Mikhael, uma das reféns do sequestro ocorrido ontem (15), em uma cafeteria de Sydney, na Austrália, passará por uma pequena cirurgia na perna e no pé esquerdo para a retirada de estilhaços. A informação foi divulgada por familiares da personal trainer, que vive na Austrália há 20 anos.

O sequestrador, o iraniano Man Haron Moni, de 49 anos, manteve por mais de 16 horas dezenas de pessoas como reféns no Lindt Chocolat Café. Man Haron Moni mora na Austrália desde 1996 e assume o título de "xeque" Monis.

Já conhecido pela polícia por outros crimes e incidentes sexuais, o clérigo iraniano fez duas exigências durante o sequestro: ter uma bandeira do grupo extremista Estado Islâmico (EI) e conversar com o primeiro-ministro do país, Tony Abbott. Após 16h de negociações, a polícia invadiu o café.

Ao todo, três pessoas morreram. Além do sequestrador, as vítimas foram identificadas como Tori Johnson, gerente da cafeteria, e Katrina Dawson, advogada e mãe de três filhos.

Nesta terça-feira, dezenas de australianos prestaram homenagens aos mortos do ataque. Foram depositadas flores perto da cafeteria, além de uma missa que foi celebrada.

Bomba – Um dia depois do sequestro que paralisou a Austrália, um prédio do Ministério das Relações Exteriores e Comércio Exterior em Canberra, na zona do Parlamento, foi evacuado com suspeita de um pacote bomba. A notícia foi divulgada pela rede televisiva ABC.

Atiradores da Polícia Federal australiana foram chamados ao local. Após duas horas de análise, a polícia afirmou que o pacote não apresentava riscos.

Notícias relacionadas