menu

Piauí

16/12/2015


Castro indica ex-diretor de manicômio alvo de denúncias na ‘Saúde Mental’

O ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB), que parece entender mais de estradas do que de saúde mental, é formado em psiquiatra, porém, indicou para o cargo de Coordenador Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde, o médico psiquiatra Valencius Wurch Duarte Filho, que substitui Roberto Tykanori, reconhecido internacionalmente.

Wurch, por sua vez, é conhecido por ser ex-diretor do maior manicômio privado da América Latina, a Casa de Saúde Dr. Eiras de Paracambi, que funcionava na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro. A instituição foi fechada por ordem judicial em 2012, após anos de denúncias sobre violações dos Direitos Humanos e das condições subumanas a que os pacientes eram submetidos.

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) se reuniu e deliberou apoio às demais entidades que estão se manifestando contra a nomeação. A responsável por levar a questão ao CNS foi Aline Silva, da Rede Nacional Internúcleos da Luta Antimanicomial, que também repudiou a indicação de Wurch.

“O nome indicado não é coerente com a política de saúde mental e avanço da Reforma Psiquiátrica. Nos últimos anos, como estava se fazendo, todos os últimos gestores, independente do governo, do partido tem sido liderada de forma competente e progressista e com o que temos pactuado há décadas na luta antimanicomial”, sustenta.

Para o CSN, “o psiquiatra também representa um retrocesso aos avanços na saúde na área mental, pois ele se posiciona como opositor ao movimento antimanicomial, quando taxa como ideológico o fechamento dos manicômios”.

CAPS EM CONTRAPOSIÇÃO AOS MANICÔMIOS
O Conselho informou ainda que no último dia 10 de dezembro foi entregue pelos movimentos cinco cartas narrando e contextualizando todo o avanço na política de saúde mental, através dos Caps, que são os Centros de Atenção Psicossocial.

“Mais de 600 entidades ligadas a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e avanço da reforma psiquiátrica estavam representadas na audiência”, afirma o Conselho Nacional de Saúde.

180 Graus

Notícias relacionadas