menu

16/04/2019


Ceará confirma novos negócios digitais a partir de Data Center de Angola em Fortaleza

 

Fhilipe Augusto – Texto
Carlos Gibaja e Marcos Studart

O Ceará assumiu seu papel de protagonista mundial no setor das telecomunicações ao receber o Data Center Angonap, da multinacional Angola Cables, inaugurado na manhã desta terça-feira (16), em Fortaleza. O momento consolidou o hub tecnológico planejado pelo Governo do Ceará, que, ao lado do centro de conexões aéreo da Air France/KLM/GOL e portuário CIPP/Porto de Roterdã, formam a trinca de hubs para alavancar o desenvolvimento no Estado.

O governador Camilo Santana participou da solenidade ao lado do CEO global da empresa, António Nunes, do ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação de Angola, José Carvalho da Rocha, e do prefeito Roberto Cláudio.

“Há uma palavra hoje que é conectividade. Esse é o mundo atual e do futuro. O que a Angola Cables está fazendo aqui no Ceará é saindo na frente no Nordeste, tirando a concentração do eixo Sudeste e trazendo para o cá esse mundo da conectividade e da telecomunicação. O Ceará tem uma característica diferente. Aqui não há muita concentração em poucos provedores, talvez sejamos no Brasil a maior concentração de provedores, com quase 400, e isso dinamiza o mercado, a economia, gerando grandes oportunidades. Não tenho dúvida que a instalação da Angola Cables vai possibilitar que Fortaleza e o Ceará se destaquem nesse mundo de telecomunicação global. Isso significa atrair novos provedores de conteúdo e internet, mais investimentos em tecnologia e pesquisa, e temos o compromisso de estimular cada vez mais nossas escolas e universidades a investirem e possibilitarem a formação de pessoas nessa área”, enfatizou o governador Camilo Santana, que, após a solenidade, pode conhecer as instalações do centro de dados.

O TAMANHO DA ESTRUTURA – A empresa Angola Cables investiu cerca de US$ 300 milhões na construção do Data Center, edificado em uma área de 3.000 m² na Praia do Futuro, e na instalação dos cabos submarinos Sacs e Monet, que ligam via fibra óptica duas regiões com grande potencial econômico – Américas e África, gerando uma rota alternativa de conectividade com os Estados Unidos e o continente asiático.

O Sacs sai da cidade de Luanda, na Angola, e chega a Fortaleza, percorrendo 6.200 quilômetros sob o oceano Atlântico, e o Monet, com 10 mil km de extensão, interliga as cidades de Santos e Fortaleza, no Brasil, e Miami, nos EUA.

A velocidade da transmissão de dados pelos cabos é de 63 milissegundos, movimento mais rápido que um piscar de olhos. Por meio dos cabos, as empresas instaladas no Ceará, desde gigantes do ramo, até os pequenos provedores, terão conexão de melhor qualidade e estimulando a economia e a criação de empregos qualificados.

POSIÇÃO ESTRATÉGICA

A localização geográfica do Ceará tem sido fator preponderante na consolidação da trinca de hub’s. Sua posição vem sendo considerada estratégia para a conexão de outras partes do mundo com a America Latina.

Uma prova disso é que Fortaleza é a segunda cidade no mundo com mais cabos submarinos – ao todo 12 – ficando atrás somente de Fujairah, nos Emirados Árabes Unidos, que possui 13.
De acordo com levantamento feito pelo IBGE, a região do Nordeste apresenta a terceira maior contribuição de segmentos das tecnologias da informação e comunicação no Brasil.

OPINIÃO ABALIZADA – Antonio Nunes, CEO da Angola Cables, afirmou que a escolha da capital cearense teve influência de sua posição no mapa, mas o trabalho feito pelo poder público no sentido de fomentar o desenvolvimento do setor de telecomunicações também pesou.

“Fortaleza é um hub natural de cabos submarinos. Quando nós fizemos nosso planejamento de local no Brasil onde deveríamos aportar nossos cabos, Fortaleza foi o local mais adequado, pelo fato de podermos, posteriormente, através de um Data Center como esse, nos interligarmos com outros cabos submarinos que já estejam aqui.

Paralelamente a isso temos tido uma surpresa muito agradável porque o Estado e Fortaleza têm promovido muito o desenvolvimento do ecossistema digital e por isso Fortaleza passa a ser no Nordeste um ponto muito importante dessa economia digital”, confidenciou o CEO.

QUANTIDADE – Esse potencial reflete nos números latino-americanos no mercado de Data Centers, que movimentou US$ 2,87 bilhões em 2016.

A estimativa é que os centros de dados da América Latina cheguem a faturar US$ 4,37 bilhões em 2021. O Brasil concentra 45% de todos os centros de armazenamento de dados existentes América Latina e foi responsável por 47,6% do faturamento da região em 2016.

ECONOMIA E SEUS EFEITOS – A era digital tem transformado costumes da sociedade e aberto novas maneiras de se fazer negócios. Esse prisma de transformação e a chegada de um equipamento desse porte credencia a capital cearense a um crescimento de oportunidades em um futuro próximo, acredita Roberto Cláudio.

“Essa onda nova do comércio eletrônico, de todas as comunicações embarcadas no celular para você lidar com o dia a dia do seu padrão de consumo, uma nova perspectiva inclusive de telecomunicações e do uso da tecnologia da informação para gerar emprego e renda, isso abre um novo cenário, novas oportunidades.

O princípio básico disso é a conectividade. Aqui a gente não está recebendo só mais cabos de fibra óptica. A gente tá fazendo mais do que isso ao ganharmos esse investimento. Estamos ganhando um Data Center de ponta, com padrão de segurança e velocidade únicos”, ressaltou o prefeito de Fortaleza.

Notícias relacionadas