menu

Ceará

08/01/2015


Ceará pode ter até dez suplentes “tampão”

CEARÁ

Até dez políticos cearenses poderão receber mais de R$ 20 mil – fora benefícios – por menos de um mês de “trabalho” no Congresso ou Assembleia Legislativa. Suplentes da eleição de 2010, eles assumem vagas abertas pela vitória de Camilo Santana (PT) e de parlamentares convocados pelo petista para o seu 1º escalão. As “posses”, no entanto, ocorreriam em pleno período de recesso no Legislativo.

Inácio só assume em fevereiro
Ao todo, sete deputados estaduais, dois deputados federais e um senador deixam as Casas para o novo governo. Como a posse dos parlamentares eleitos ano passado só ocorre em fevereiro, dez suplentes serão convocados para janeiro e receberão salários – mesmo que não deem um dia de expediente ou compareçam ao Legislativo.


Até a tarde de ontem, apenas Artur Bruno (PT) havia oficializado sua licença na Câmara Federal. Em seu lugar, assumiu o suplente Paulo Henrique Lustosa (PP). O deputado, que já havia assumido mandato em 2013, disse que ainda avalia se irá tomar posse. “Há toda uma logística necessária, é precipitado”.


Apesar disso, ele diz não considerar ilegal ou imoral posse “tampão” dos suplentes. “São pessoas que disputaram eleição, conquistaram esse direito. Investiram nisso. Não sei se vou tomar posse, mas acho que quem quiser estará no seu direito”, diz.


Procurado pelo O POVO, o Departamento Legislativo da Assembleia confirmou que suplentes serão convocados. Até ontem, no entanto, nenhuma convocação havia sido oficializada. Questionados pela reportagem, suplentes preferiram não se manifestar. “É precipitado demais. Temos que ver se vai haver mesmo convocação”, diz Ana Paula Cruz (PRB).


R$ 150 mil

Ao todo, cada suplente de deputado federal receberá – ainda que no recesso – R$ 150 mil da Câmara para o mês. O valor diz respeito ao salário (R$ 26,7 mil), auxílio-moradia (R$ 3,8 mil), assessoria (R$ 78 mil) e cotão (entre R$ 27,9 mil e R$ 41,6 mil).
 

Já na Assembleia, valor vai até R$ 78,5 mil, correspondendo a salário (R$ 20 mil) e Verba de Desempenho Parlamentar (R$ 58,5 mil). Entre os sete suplentes, apenas Amarílio (Pros) nunca havia assumido mandato na Casa.


Já Inês Arruda (PMDB), 1ª suplente da coligação governista, já está no cargo desde outubro deste ano, por licença de Nelson Martins (PT). Ele optou por ficar na Secretaria de Desenvolvimento Agrário.


No Diário Oficial do último dia 6, Camilo nomeou maioria de seus secretários, deixando de fora apenas Inácio Arruda (PCdoB), Artur Bruno (PT), José Linhares (PP), Mirian Sobreira (Pros) e Danilo Serpa (Pros). Destes, apenas Danilo não abrirá vaga para suplente.

 

Quem está na “linha sucessória” do Legislativo


Inês Arruda (PMDB) No cargo desde outubro, por licença de Nelson Martins

Amarílio (Pros) Único dos sete suplentes que nunca assumiu na AL
Antônio Carlos (PT) Já foi líder de Cid na AL. Fica no lugar de Mauro Filho (Pros)

Nenen Coelho (PSD) Ex-tucano, fica no lugar de Osmar Baquit (PSD)
Mailson Cruz (PRB) 3º suplente, entra na vaga de Nelson Martins (PT)

Paulo Lustosa (PP) Pode assumir vaga de Artur Bruno. Ex-peemedebista
Dra Silvana (PMDB) Eleita deputada, assume vaga de Rachel Marques (PT)

Eugênio Rabelo (PP) Pode assumir vaga de Padre Zé na Câmara Federal
Ana Paula Cruz (PRB) 5ª suplente, assume vaga de Mirian Sobreira (PRB)

Raimundo Noronha Como Inácio não pretende se licenciar, não assumirá
 

(do Povo Online)

Notícias relacionadas