menu

Brasil

01/07/2014


Ceará tem economia acima da média

Desenvolvimento

A economia do Ceará tem previsão de crescimento de 4,5% para este ano, de acordo com estatísticas do Governo do Estado, do Ipece/Informa “Perspectivas da Economia Cearense para 2014”, divulgada pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece). O balanço de 2013 revela que as receitas fiscais registraram um crescimento real de 3,1% e os investimentos de 2,15%; o Produto Interno Bruto (PIB) fechou em 3,44%, superando, mais uma vez, o resultado nacional.

Há mais de cinco anos, a economia cearense vem crescendo entre 3,5% e 5% ao ano, mais que o Nordeste e que o Brasil. “A economia cearense vem, desde 2008, crescendo a taxas superiores às da economia nacional e este dinamismo pode ser explicado pelos importantes investimentos públicos e privados realizados no estado nos últimos anos”, afirma a professora de economia Almerinda Gomes, da Unime.

De acordo com ela, a evolução acima da média nacional também é um quadro presente em todo o Nordeste e é atribuída ao franco crescimento do mercado consumidor interno, provocado pelo aumento do salário mínimo e dos programas de transferência de renda, e dos incentivos fiscais que, em conjunto, foram responsáveis pela atração de investimentos para a região nordestina.

“Como, por exemplo, o Porto de Suape, na região metropolitana de Recife; da ferrovia Transnordestina que empregou 11,5 mil pessoas dos estados de Pernambuco, Ceará e Piauí; e das obras de ampliação do Porto de Ponta de Madeira e da estrada de Ferro Carajás, no Maranhão. É importante destacar ainda o crescimento da renda familiar na região, explicado, sobretudo, pelo Programa Bolsa Família. Metade das 13 milhões de famílias atendidas por este programa vive na região Nordeste”, exemplifica Almerinda.

Desde a década de 60, o Ceará vem passando por processos de urbanização e industrialização, ganhando maior impulso a partir dos anos 80 devido a políticas de concessão de benefícios fiscais e empresas privadas que se instalaram no estado. De lá para cá o desenvolvimento não parou. 

A maioria das indústrias fica na Região Metropolitana de Fortaleza, com destaque para a capital Fortaleza, Caucaia e Maracanaú onde se localiza o Distrito Industrial de Maracanaú, um importante complexo industrial dinamizando a economia do estado do Ceará. Em Caucaia e São Gonçalo do Amarante está instalada a primeira Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Brasil em operação. O objetivo de uma ZPE é atrair investimentos estrangeiros voltados para as exportações; colocar as empresas nacionais em igualdade de condições com seus concorrentes localizados em outros países, que dispõem de mecanismos semelhantes. A zona, além de criar empregos, visa difundir novas tecnologias e práticas mais modernas de gestão e corrigir desequilíbrios regionais.

Ainda nessa localidade também está o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP). Ele abriga atividades diversas, como correia transportadora, ferrovia, gasoduto, duas usinas termelétricas, energia convencional e possibilidades de utilização de formas alternativas (eólica e solar), refinaria, siderúrgica, porto e atividades industriais relacionadas. É lá que fica o Porto do Pecém que movimentou 6,3 milhões de toneladas em 2013, com destaque para contêineres, carga geral solta e granéis líquidos, havendo projetos de expansão em sua movimentação.

 

(Leia a reportagem especial completa na edição nº 91, à venda em todas as bancas)

Notícias relacionadas