menu

04/07/2019


Representantes do Nordeste se reúnem na China para promoção das relações bilaterais entre dois países

O Consulado da República Popular da China no Nordeste está promovendo, através do Ministério do Comércio da China e da Escola de Negócios de Shanghai, o “Seminário sobre a Promoção Comercial para o Brasil em 2019”, realizado entre os dias 27.06 e 13.07 na Cidade de Shangai como objetivo de formar um grupo de profissionais e representantes dos Estados do Nordeste sobre os diversos aspectos da realidade econômica, histórica e atual, da China a fim de habilitá-los para uma melhor promoção dos negócios entre os dois países.

O Seminário abordou temas como o processo histórico de reforma e abertura da China, que teve início com o Governo de Deng Xiao Ping em 1978, agora intensificado através de uma série de medidas adotadas pelo Governo do atual Presidente Xi Jinping. Abordou ainda temas como o processo de desenvolvimento de Pudong, o principal centro financeiro da China, no município de Shanghai; os números e diversos aspectos dos investimentos feitos por estrangeiros na China (FDI) e dos investimentos da China feitos no estrangeiro (OFDI); e o sistema de desenvolvimento das Zonas Econômicas Especiais (ZEEs), das Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs), das Zonas de Livre Comércio (Free Trades Zones) e das Zonas Aduaneiras Especiais, bem como do ambicioso projeto de integração da China aos continentes Asiático, Europeu e Africano, “Uma faixa uma rota”.

O QUE É – O curso tratou ainda sobre os diversos aspectos da recém promulgada “Lei de Investimentos Estrangeiros”, norma que terá eficácia a partir de 2020 e que o Governo Chinês elaborou em substituição às três leis que tratavam da matéria de forma esparsa desde o início do processo de abertura, de maneira a fomentar um maior investimento do estrangeiro da China, dando maior proteção aos investidores, assegurando-lhes uma maior segurança jurídica; proteção às suas marcas e propriedade intelectual.
criação de um mecanismo especial de reclamação para esses investidores junto aos órgãos governamentais, bem como o direito à participação nas câmaras de comércio e associações chinesas que têm voz junto ao Governo na China.

O Seminário proporcionou também aos participantes a visita às cidades de Yiwu, Jinhua e Hangzou, a diversos órgãos governamentais e empresas de alta tecnologia, a exemplo do Porto Eletrônico de Shanghai, à sede do Grupo Alibaba, a Usina de Incineração de Resíduos Domésticos de Shanghai, à Cidade de Comércio Internacional em Yiwu, além da participação em reunião, seguida de rodada de negócios, junto ao Comitê de Jinhua ligado ao Conselho da China para a promoção do Comércio Internacional, onde os participantes tiveram a oportunidade de apresentar os seus respectivos estados.

Conforme relato, “o Seminário proporcionou também aos participantes a visita às cidades de Yiwu, Jinhua e Hangzou, a diversos órgãos governamentais e empresas de alta tecnologia, a exemplo do Porto Eletrônico de Shanghai, à sede do Grupo Alibaba, a Usina de Incineração de Resíduos Domésticos de Shanghai, à Cidade de Comércio Internacional em Yiwu, além da participação em reunião, seguida de rodada de negócios, junto ao Comitê de Jinhua ligado ao Conselho da China para a promoção do Comércio Internacional, onde os participantes tiveram a oportunidade de promover os seus respectivos Estados a fim de atraírem investimentos e parcerias com instituições públicas e empresas privadas da China”.

COMITIVA – O Seminário contou com a participação dos representantes dos Estados de Pernambuco (Secretários de Desenvolvimento, Bruno Schwambach, de Meio Ambiente, José Bertotti, e Sec. Executivo de Turismo, Antonio Peres, além do Deputado Estadual Romero Sales Filho) e dos estados da Paraíba, Rio Grande do Norte e Maranhão, bem como do Advogado, Eduardo Paurá Filho da Paurá Advocacia e Presidente da CCDIBC em Pernambuco entre outros empresários desses estados.

Paurá ressaltou a excelente inciativa da Cônsul Geral da China no Nordeste, Sra. Yan Yuqing, ao proporcionar esse Seminário, uma vez que os seus participantes têm o potencial de promover a China perante os estados do Nordeste e fomentar os negócios bilaterais.

“É uma nação admirável, tendo em vista a sua enorme capacidade de planejamento, realização e superação, que advém do preparo e visão estratégica dos seus governantes e da robusta capacidade de trabalho do seu povo. Esses fatores transformaram-na num país dotado de infraestrutura super avançada, inovação tecnológica, mão de obra qualificada e financeiramente bem estruturado, portanto, num dos melhores ambientes de negócios do mundo. Quem não entender e procurar interagir com a China, além de perder grandes oportunidades de negócios, correrá o risco da disrupção que os chineses já estão provocando na forma de fazer negócios no mundo, tendo em vista que seus projetos são superlativos, altamente tecnológicos e globais.

Notícias relacionadas