menu

Bahia

27/11/2015


Chuva ajuda a diminuir focos de incêndio na Chapada Diamantina

A chuva forte que caiu na Chapada Diamantina na madrugada desta quinta-feira (26) ajudou a diminuir os focos de incêndio que ainda persistem na região. As equipes de combate agora estão concentradas nas regiões de Mucugê, do Vale do Capão e da Serra do Boqueirão, entre os municípios de Lençóis e Palmeiras, onde ainda há chamas. Nas localidades de Morro Branco, Barro Branco, Folha Larga e na Serra do Sobradinho o fogo foi controlado e as áreas estão sendo monitoradas para evitar novas incidências. Há previsão de mais chuva para esta noite.

Até o momento, R$ 8,6 milhões de recursos estaduais foram investidos em ações de prevenção e fiscalização; formação e capacitação de brigadistas; compra de equipamentos de proteção; locação de aeronaves, vans e veículos tracionados, além de atividades de educação ambiental para sensibilização das comunidades.

Apesar de ainda não haver um relatório de levantamento georreferenciado da área total atingida pelas queimadas, já que os órgãos envolvidos nesta atividade estão com suas equipes primordialmente direcionadas para o combate às ocorrências, estima-se que o fogo atingiu cerca 30 mil hectares.

Desde 2008, o programa Bahia sem Fogo, coordenado pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), vem realizando ações de prevenção e combate às queimadas e incêndios florestais em todo território baiano, especialmente nas regiões oeste e da Chapada Diamantina, que costumam registrar esses tipos de ocorrência durante o período de estiagem.

Neste ano, as queimadas na região oeste começaram em julho e se estenderam até o começo de novembro, sendo consideradas como as mais intensas dos últimos anos. Já na Chapada, o primeiro incêndio registrado aconteceu no município de Andaraí, na segunda quinzena de setembro.

Essa situação dividiu as equipes do corpo de bombeiros e de técnicos da Sema, que, na ocasião, concentraram maior efetivo na região oeste, uma vez que os incêndios na Chapada estavam ocorrendo em menor quantidade de pontos e com menor potencial de perdas. Porém, esta situação se inverteu no final de outubro, com o agravamento das chamas na região central do estado.

A força-tarefa é formada por equipes da Secretaria do Meio Ambiente do Estado, do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Segurança Pública (SSP), Força Aérea Brasileira (FAB), Exército Brasileiro, Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), das prefeituras das cidades atingidas, da Associação das Brigadas da Chapada Diamantina, do Grupo Ambientalista de Palmeiras (Gap) e do Grupo Ambientalista Araça Mirim — Lençóis.

Notícias relacionadas