menu

Ceará

06/06/2016


Ciro diz que pedirá impeachment de Temer se golpe se concretizar no Senado

Em entrevista a jornalista Mariana Godoy, na Rede TV, na noite desta sexta-feira (3), o ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes não poupou críticas ao governo interino de Michel Temer e soltou até um "palavrão" para manifestar sua indignação com o que está acontecendo no Brasil. "Eu prefiro dizer um palavrão a pegar em armas".

Incisivo nas suas afirmações, Ciro falou sobre o golpe, sobre as denúncias do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, envolvendo a cúpula do PMDB, sobre a posição golpista do "amigo" senador Tasso Jereissati, sobre os interesses internos e externos que estão por trás do golpe e afirmou, entre outras coisas, que se o golpe se concretizar no Senado Federal, pedirá o impeachment de Michel Temer.

Ciro iniciou sua fala com "primeiramente, Fora Temer". Ciro disse que atendia cobrança de amigos e voltou a qualificar o PMDB como uma"quadrilha" e destacou mais uma vez que Michel Temer é "testa de ferro"do presidente afastado da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha. Criticou ainda José Serra, ministro interino das Relações Exteriores dizendo que o mesmo colocou sua "competência a serviço do mal".

Sem meias palavras e sem tergiversar, como é de seu estilo, criticou o governo da presidenta Dilma Rousseff, mas defendeu a volta da presidenta ao governo. "Eu quero que ela volte por uma razão: ela foi eleita pelo povo brasileiro". Ciro criticou ainda a aliança PT/PMDB e se disse aborrecido com o presidente Lula.

Sobre uma possível candidatura à presidência da República em 2018, Ciro deixou em aberto, dizendo que iria "pensar mil vezes", mas que não fugiria à responsabilidade.

O programa de Mariana Godoy entrevistou também o ministro interino dos Esportes, Leonardo Picciani, que tentou justificar sua mudança de posição de defensor do governo Dilma a ministro de Temer. "'É obrigação nossa, do PMDB, ajudar ele [Michel Temer] nesta tarefa". 

Notícias relacionadas