menu

Brasil

26/03/2014


Com Ciro para o Senado, Governo deve ir para aliado, diz Cid

CEARÁ

Caso Ciro Gomes aceite concorrer ao Senado, a tendência é que o candidato apoiado por Cid Gomes (Pros) ao Governo seja de outro partido da base aliada. A afirmação foi feita pelo governador na noite de ontem, durante cerimônia de entrega da Medalha da Abolição. Os homenageados foram o jornalista Demócrito Dummar (in memoriam), presidente do O POVO de 1985 a 2008, o empresário Airton Queiroz, chanceler da Universidade de Fortaleza e diretor executivo do Grupo Edson Queiroz, e o artista plástico Sérvulo Esmeraldo.

A honraria é concedida pelo governo anualmente, e visa homenagear cearenses que contribuem para o crescimento do Estado. A medalha é entregue em 25 de março, em alusão ao pioneirismo cearense na abolição da escravidão em 1884 – quatro anos antes do resto do Brasil.

Na cerimônia de ontem, ainda ecoava o burburinho depois que o governador admitiu, na véspera, a possibilidade de renunciar em abril para permitir que Ciro seja candidato. “Se há uma decisão do Ciro, que é do Pros, em ser candidato a senador, que é um dos três cargos majoritários, não é razoável que o Pros tenha outro cargo majoritário, quer seja governador ou vice-governador”, disse Cid, citando PT, PMDB, PDT e PCdoB como siglas que poderiam indicar nomes.

Ainda segundo o governador, a candidatura do irmão ao Senado depende somente do próprio Ciro. “Se o Ciro desejar ser candidato ao Senado, eu tenho de renunciar ao governo. Se ele não quiser, ficarei até o final (…). Vai haver muita pressão sobre ele, e ele vai definir se vai ou não. A primeira posição dele foi de não ser, mas tem muita gente ponderando que o Ceará precisa de uma presença forte no Senado”, disse.

Eunício e PT

A fala de Cid tanto alimenta o desejo de Eunício Oliveira (PMDB) disputar o governo com apoio do Palácio da Abolição quanto fortalece setores do PT que defendem candidato próprio. Na noite de ontem, no entanto, o governador evitou antecipar mais indicações.

“A única coisa que tem de ser decidida agora é a candidatura do Ciro, por conta dos prazos. Tudo mais pode ficar para junho, o que é melhor, porque temos demandas do Estado”, disse Cid, afirmando que se reunirá com o peemedebista nesta sexta-feira.

Presente no evento de ontem, Eunício evitou comentar possível renúncia de Cid. Ele reforça que o PMDB priorizará manter unidade da base aliada de Dilma Rousseff (PT) no Estado, mas não nega interesse em ter candidato à sucessão.

O deputado Camilo Santana (PT), frequentemente cotado como candidato do PT ao governo, também evitou comentar o assunto. Segundo ele, posição do partido é conduzida por José Guimarães (PT), que hoje defende candidatura do PT ao Senado.

 

BASTIDORES

Após término da cerimônia, Cid Gomes e Eunício Oliveira se cumprimentaram no cerimonial do Palácio da Abolição. Cortesia entre os dois foi bastante breve, sem muitos sorrisos, e teve direito a cochichos mútuos de ouvido.

O presidente da Assembleia Legislativa e pré-candidato ao governo, Zezinho Albuquerque (Pros), chegou ao evento junto de Cid e dos homenageados. O vice-governador do Estado e também pré-candidato, Domingos Filho (Pros), chegou alguns minutos antes.

Eunício Oliveira chegou ao evento depois do início da cerimônia, durante entrega da primeira homenagem, e sentou ao lado do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros). Ele disse que estava em Brasília, onde trabalhou no sentido de inviabilizar instalação de CPI contra o governo Dilma Rousseff.

Estiveram presentes diversos representantes do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Ministério Público do Estado (MP-CE) e Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE).

 

(Jornal O Povo)

Notícias relacionadas