menu

Pernambuco

03/08/2016


Comprador de avião era entregador de propina de Campos, afirma PF

Os autos do inquérito da Operação Turbulência da Polícia Federal que resultaram no indiciamento de 20 pessoas, apontam o empresário pernambucano João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho como o suposto líder de um grupo criminoso e responsável por entregar dinheiro proveniente de propina por parte da empreiteira Camargo Corrêa ao ex-governador Eduardo Campos (PSB) – falecido em um acidente aéreo durante a campanha presidencial de 2014 – e ao senador Fernando Coelho Bezerra (PSB-PE). O parlamentar é pai do ministro das Minas e Energia do governo do vice-presidente em exercício Michel Temer (PMDB), Fernando Filho.

Segundo as investigações da PF, os valores repassados por Lyra seriam fruto de desvios ocorridos na construção da Refinaria Abreu e Lima, no Complexo Industrial e Portuário de Suape (PE). A refinaria também é investigada pela Operação Lava jato, que apura desvios e corrupção na Petrobras, responsável pelo empreendimento.

Ainda segundo a PF, Lyra se apresentou como o único comprador do avião Cessna Citation PR-AFA que caiu em agosto de 2014 em Santos (SP), além de ter assinado o Termo de Intenção de Compra da aeronave Cessna Citation PR-AFA .

A atuação de Lyra no esquema teria sido confirmada pelos depoimentos dos ex-funcionários da empreiteira Camargo Corrêa Gilmar Pereira Campos e Wilson da Costa. O esquema teria sido viabilizado por meio de um contrato fictício com a Construtora Master, visando a terraplenagem no terreno da refinaria. O serviço, porém, nunca foi executado.

Além de atuar no esquema montado conjuntamente com a Camargo Corrêa, Lyra também teria montado empresas de fachada para operar recursos originários da construtora OAS. Somente entre 2010 e 2014, a PF rastreou cerca de 90 transações entre a OAS e as empresas ligadas ao empresário pernambucano que teriam movimentado cerca de R$ 14 milhões.

A defesa de Lyra nega a existência de irregularidades e o PSB informou que tem plena confiança na "conduta sempre íntegra do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e o apoio incondicional ao trabalho de investigação da Polícia Federal e do Ministério Público, esperando que resulte no pleno esclarecimento dos fatos". Já o senador FBC, reafirmou que "não é investigado na operação Turbulência" e que atuou como coordenador de "nenhuma campanha de Eduardo Campos".

Notícias relacionadas