menu

Política

11/05/2016


Confira ao vivo votação de impeachment no Senado

Com uma hora de atraso, o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, abriu a sessão que vota a admissibilidade do processo que pede o impeachment de Dilma Rousseff da Presidência da República, nesta quarta-feira (11), às 10h.

No entanto, como era de se esperar, a sessão não fluiu rapidamente para que, como desejava a oposição ao governo, acabasse o mais cedo possível. Por volta das 11h, senadores da base governista seguiam apresentando questões de ordem para tentar o cancelamento do processo contra a presidente.

Acompanhe ao vivo abaixo:

 

Representada por Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffman (PT-PR) e Vanessa Graziotin (PCdoB-AM), a base governista tentava anular a sessão com argumentos como o fato de a relatoria do processo ter sido entregue ao PSDB, um dos autores da denúncia contra Dilma; o desvio de finalidade de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ao acatar a abertura do pedido de impeachment – segundo a defesa de Dilma, como motivo de vingança –; e pelo Tribunal de Contas da União ainda não ter analisado as contas de 2015 do governo federal, as mesmas que embasam a denúncia de impedimento. Calheiros rejeitou todas as questões de ordem.

"A denúncia foi apresentada antes do fim do exercicio orçamentário. A gente diz que não tem crime, não conseguem nos mostrar onde tem crime, então a gente pede que tenha o julgamento das contas de 2015 pelo TCU e depois pelo Congresso Nacional", alegou Farias. "Isso que causa indignação. Estão querendo afastar uma presidente antes que o tribunal analise suas contas. Se esta questão for rejeitada, vamos recorrer ao Supremo Tribunal Federal."

As investidas dos governistas foram amplamente criticadas pela oposição, que pedia agilidade na sessão. "O o governo não faz outra coisa a não ser procrastinar o início desta sessão em clara deslealdade processeual", atacou o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB). "Além da deslealdade processual e da litigância de má fé, eles prejudicam o povo brasileiro […] É uma postura desleal, um truque. Apelo para que possamos iniciar a sessão em respeito ao povo brasileiro que aqui representamos."

O pedido de agilidade tem motivo. Antes da votação, 68 senadores estão previstos para discursar por até 15 minutos na Tribuna da Casa – o que pode levar 17 horas caso todos sigam o tempo máximo estabelecido. Após isso, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, ainda volta a apresentar a defesa da presidente pelo mesmo período. Se Calheiros afirma que a sessão pode acabar até as 22h, a expectativa da Secretaria da Casa é que ela adentre a madrugada de quinta-feira (12).

A primeira oradora do dia, a senadora Ana Amélia (PP-RS), só foi começar seu discurso às 11h18, mais de duas horas após o horário marcado para o início da sessão. Líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO) chegou a atacar Calheiros por permitir o atraso.

"Já estou com saudades do Raimundo Lira [presidente da comissão especial que elaborou e aprovou o parecer que será votado no plenário do Senado]. Vossa excelência [Renan] tem sido até por demais complacente. Já estamos há mais de uma hora aqui e nada", criticou.

Às 12h30, o presidente do Senado interrompeu a sessão para o almoço, que durou mais que o previsto. A sessão só foi retomada por volta das 14h30. Até às 16h30 desta tarde, somente 15 senadores haviam se pronunciado na tribuna da Casa. Ainda faltam 53 senadores inscritos.

Último Segundo

Notícias relacionadas