menu

Brasil

15/09/2015


Cunha critica cortes e diz ser ‘pouco provável’ aprovar CPMF

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), criticou no início da noite desta segunda-feira (14) o corte de R$ 26 bilhões anunciado pelo governo e afirmou ainda ser "pouco provável" que haja consenso no Congresso para a aprovação de um imposto sobre operações financeiras, como a antiga CPMF.

"O governo está com a base frágil. O tema já é polêmico. Acho temeroso querer condicionar a isso o processo de ajuste", avaliou o peemedebista. "É como se eles jogassem a bola para cá, mas a bola está com eles".

Além das dificuldades de acordo, o presidente da Câmara mencionou o fato de a tramitação de uma medida como a CPMF ser longa. Após passar pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) de uma das Casas, é criada uma comissão especial, respeitado o prazo de pelo menos 40 sessões durante os quais se tenta consenso sobre a matéria.

Após esse período, o texto segue para apreciação em dois turnos em plenário e depois vai para a outra Casa, onde também é votado em dois turnos.

Cunha recebeu, antes do anúncio do corte, uma ligação da presidente Dilma Rousseff, durante a qual disse ter relatado dificuldades sobre a aprovação de algumas das propostas anunciadas.

Apesar de ter rompido formalmente com o governo em julho, Cunha disse que não vai obstruir a tramitação de um eventual projeto de aumento de impostos, mas reafirmou ser pessoalmente contrário esse tipo de mudança.

Ele se posicionou de forma crítica também ao formato de algumas mudanças. "75% dos cortes são dependentes de terceiros. São pseudo cortes. A parte do governo, os 25%, são sobre as despesas discricionárias. Não vejo um corte efetivo".

iG Minas Gerais

Notícias relacionadas