menu

Brasil

20/06/2017


Da Paraíba para a Argentina – Revista NORDESTE destaca investimento no turismo

Nova edição

A edição 127 da Revista NORDESTE mostra o grande investimento que a Paraíba está fazendo da área de turismo com a abertura do voo internacional João Pessoa-Buenos Aires. Mesmo em fase de crise, o turismo abre novos negócios com este voo Internacional.

A Revista traz uma entrevista com o Professor da USP e estudioso em cultura digital, Gil Giardelli, que revela fatos interessantes sobre a inteligência artificial. 
Ainda um foco para a economia dos estados do Maranhão e da Bahia. Enquanto a primeira sofre com a crise, mas aposta nas exportações para aguentar a onda, a seguda segue liderando na geração de empregos em diversos setores.

Editorial:

7 Ministros e uma sentença

O título acima aponta para um filme de 1957. No filme de Sidney Lumet, Henry Fonda coloca vários colegas que devem dar um veredicto depois de ouvir as parte de um julgamento para pensar. A história segue o encerramento do caso do julgamento do assassinato cometido por um adolescente, os membros do júri devem chegar a um consenso sobre qual será o veredito. Enquanto os 12 indivíduos estão fechados em uma sala para tomar uma decisão, onze deles votam pela condenação do réu, porém um deles (Fonda) acredita na inocência do jovem e tenta convencer os outros a mudarem seus votos, dando início a um conflito que ameaça inviabilizar o delicado processo que vai decidir o destino do acusado.
O filme é magistral e em muito fala do oposto da cena brasileira. Diferente da cena que foi vista sendo tecida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), num julgamento acompanhado pelo Brasil. No TSE o ministro Herman Benjamim teceu argumentos que considerava mais que necessários para a condenação da chapa Dilma/Temer por abuso de poder político e econômico, acarretando a cassação da chapa e do mandato de Michel Temer. Os argumentos parecem não terem sido suficientes para convencer os colegas Napoleâo Nunes, Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira de Carvalho. O placar ficou empatado contra os votos de Herman, Luiz Fux e Rosa Weber. O presidente Gilmar Mendes liquidou a pendenga.
Tudo pode não ter passado de um grande teatro, já que desde o início o placar já era sabido nos meios de comunicação e nas redes sociais. A pesar das bravatas e das frases de efeito de Herman Benjamim: “recuso o papel de coveiro de prova viva. Posso até participar do velório, mas não carrego o caixão”, e de Gilmar Mendes: “Não deixo de afirmar o que eu penso. Chego a ser rude às vezes, para não ser insincero. Quando eu vi o levantamento que o ministro Herman [Benjamin] fez, eu fiquei até preocupado, porque a rigor nós deveríamos cassar todos os seus atos, pelo menos pelos fundamentos trazidos, até 2006. Falei daqui a pouco, não vamos ter nenhum dos colegas na Corte, porque daqui a pouco, ministra Rosa, o seu ato estaria eivado. Estaria eivado de vício, porque [o cargo] foi indicado por uma presidente que já teve o seu mandato contaminado”.
Infelizmente, não estamos todos num filme de Lumet. Talvez estejamos mais para um thriller de Stanley Kubrick, como “Laranja Mecânica”.
Na matéria desta edição destaque para matéria sobre a Inteligência Artificial e a entrevista concedida por Gil Giardelli sobre o mesmo tema. Vale a leitura. Giardelli aponta ligações dos novos tempos da inteligência virtual e dos avanços tecnológicos com a pós-verdade, tema da edição passada. Para não fugir do tema da vida imitando a ficção, há ainda matéria sobre o Cine PE, que deve acontecer entre os meses de junho e julho. O Festival foi tema de um boicote de realizadores contra filmes que eles consideraram de direita. No final das contas, todos os realizadores que lançaram manifesto contra filmes como “Jardim das Aflições” ficaram de fora e o festival seguiu com novos selecionados.
Nos resta a constatar que as sentenças estão por todos os lados, mas falta-nos um Henry Fonda.

Paulo Dantas
Chefe de Redação da Revista NORDESTE
paulo.dantas@revistanordeste.com.br 

 

LEIA AQUI A REVISTA ONLINE

Notícias relacionadas