menu

Brasil

18/01/2017


Devo me vacinar contra a febre amarela? Saiba como se proteger da doença

Ao menos sete mortes por febre amarela foram confirmadas em Minas Gerais, informou a Secretaria de Saúde do Estado na manhã desta quarta-feira (18). A confirmação dos casos foi feita pelo Instituto Evandro Chagas. De acordo com o último boletim epidemiológico, divulgado nesta terça-feira (17), já são mais de 180 casos suspeitos da doença.

A infecção aguda começou a preocupar autoridades brasileiras desde que número de casos suspeitos passou a aumentar significativamente já no início de 2017. Se apenas em Minas Gerais, em 17 dias, foram registradas quatro mortes relacionadas à febre amarela, no ano de 2016 todo foram apenas sete casos confirmados da doença em Goiás, São Paulo e Amazonas, sendo que cinco evoluíram para óbito, segundo o Ministério da Saúde.

Atualmente, só os mosquitos Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus no País. Os macacos são os principais hospedeiros, mas se uma pessoa não vacinada acaba entrando em contato com um mosquito contaminado pode ficar doente também. Outra preocupação das autoridades é que o vírus retorne aos centros urbanos e passe a ser transmitido também pelo Aedes aegypti , o mesmo da zika, dengue e chikungunya. Os últimos casos em centros urbanos foram registrados em 1942 no Acre.

Os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Rio de Janeiro estão fora da área de recomendação para a vacina. Entretanto, há uma preocupação porque foram registrados quatro casos suspeitos no Espírito Santo.

Devo me vacinar?

A vacina contra o vírus da febre amarela já faz parte do Calendário Nacional de Vacinação e é a única forma de se evitar a infecção. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), apenas uma dose da vacina já é suficiente para proteção por toda a vida. No Brasil, é aplicada uma dose aos nove meses de idade e um reforço aos quatro anos.

+ Febre amarela causa a morte de homem no interior de São Paulo

Já no caso de situação de emergência epidemiológica  ou viagem para área de risco, o imunizante pode ser aplicado a partir dos seis meses de idade. Já se a criança não for vacinada aos 9 meses, deve tomar a vacina e o reforço com um intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.

Não me vacinei até o 4 anos. E agora?

Pessoas que receberam as duas doses da vacina não precisam mais se vacinar, já aqueles que não receberam o reforço podem fazer isso mesmo que sejam adultos. Já quem nunca foi vacinado ou não tem o comprovante da aplicação devem administrar a primeira dose da vacina e, após dez anos, o reforço.

Casos específicos

Como as vacina pode gerar problemas para pessoas com o sistema imunológico mais baixo, pessoas com 60 anos ou mais que nunca tomaram a vacina só podem tomar o imunizante após avaliação médica. Já no caso de gestantes ela é contraindicada – podendo ser autorizada por um especialista se houver situação de emergência epidemiológica ou necessidade de viagem para área de risco. Lactantes de crianças com até seis meses devem suspender o aleitamento materno por 28 dias após a vacina.

Pacientes com imunodeficiência devem passar por avaliação médica de risco-benefício antes de tomar o imunizante. Pessoas com histórico de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina contra febre amarela – ovo de galinha e seus derivados, gelatina e outros produtos que contêm proteína animal bovina –, assim como pacientes com histórico de doenças do timo também devem buscar orientação.

Viajantes

De acordo com o Ministério da Saúde, viajantes para fora do Brasil devem seguir as recomendações do Regulamento Sanitário Internacional. Já quando o destino é uma área de recomendação da vacina no Brasil é preciso se vacinar com pelo menos dez dias de antecedência no caso da primeira vacinação.

 

Quais os sintomas da febre amarela?

A doença é de curta duração, podendo se prolongar por até dez dias. Os sintomas são febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia – a pele e os olhos ficam amarelos – e hemorragias – de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina. A gravidade varia em cada caso.

O problema é que, se não tratada rapidamente, pode levar à morte em cerca de uma semana. O tratamento é apenas assintomático. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido em uma Unidade de Terapia Intensiva.

Evolução da doença

O vírus se manifesta entre três a seis dias após a picada, podendo se estender até 15 dias. A maioria dos pacientes apresenta melhora após os sintomas iniciais, mas cerca de 15% acabam desenvolvendo uma forma mais grave da doença.

O homem pode servir como fonte de infecção para mosquitos transmissores durante sete dias. Nos casos que evoluem para a cura, a infecção confere imunidade duradoura, ou seja, uma mesma pessoa não poderá ter febre amarela mais de uma vez.

Suspeita de febre amarela

Se a pessoa acredita que está com febre amarela, deve procurar o mais rápido possível um médico. É necessário informar sobre qualquer viagem para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas. 

IG

Notícias relacionadas