menu

Brasil

05/03/2014


Dilma e Lula devem se encontrar hoje para discutir a reforma ministerial

NACIONAL

A presidente Dilma Rousseff deve reunir-se hoje com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para acelerar as estratégias para a reforma ministerial. Na semana passada, Dilma atritou-se com o PMDB e os caciques peemedebistas recorreram ao ex-presidente. Lula também tornou-se padrinho do provável futuro ministro da Saúde, Arthur Chioro. Secretário de Saúde de São Bernardo do Campo (SP), Chioro deve encontrar-se com Dilma amanhã, no Planalto, e só não assume o cargo se não quiser, nas palavras de pessoas que acompanham as conversas.

Lula, mais uma vez, exerce um papel fundamental como guru político da presidente. Ele já havia, no fim do ano passado, participado, ao lado de Dilma das negociações com os partidos aliados em torno dos palanques estaduais. O encontro aconteceu em um sábado, na Granja do Torto, e reuniu, além da presidente e de Lula, o presidente nacional do PT, Rui Falcão (SP) e representantes do PMDB e do PP. E fará isso com toda a base, composta por 10 partidos de olho em uma vaga na Esplanada.

Lula também convenceu a presidente a estender a reforma até meados de março. “Ele sempre disse a Dilma que seria arriscado dar os ministérios muito tempo antes da contrapartida que os partidos poderão dar ao Planalto: a certeza do apoio nas eleições de outubro”, afirmou um assessor palaciano. No caso do PMDB, Lula fuciona como bombeiro nas crises.

O ex-presidente é considerado fundamental para equacionar os atritos entre o petistas e peemedebistas nos estados. “O PT quer eleger a maior bancada da Câmara, do Senado e vencer as disputas em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Se isso acontecer e eles assumirem o comando do Congresso, o Brasil vira capitania hereditária”, reclamou uma liderança do PMDB. “Não estamos discutindo cargos, estamos discutindo política”, completou o cacique. (Paulo de Tardo Lyra e João Valadares)
 

Notícias relacionadas