menu

Brasil

24/03/2015


Dilma é vítima de massacre midiático sem precedentes, diz líder do Governo

O líder do governo na Câmara Federal, deputado federal José Guimarães (PT-CE), afirmou, em entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara dos Deputados, que a presidente Dilma vem se esforçando para apresentar propostas que correspondam às manifestações de rua nas principais capitais do País. Ao avaliar a pesquisa CNT/MDA, que mostrou que 64,8% considera o governo como ruim ou péssimo, o petista declarou que o resultado do levantamento é conseqüência do "massacre midiático" diário e "sem precedentes" pelo qual passa o governo do PT.

Guimarães disse ainda que a população brasileira vive uma “lavagem cerebral” patrocinada pela grande mídia e condenou a supervalorização do noticiário nacional sobre as manifestações do último dia 15. “Tinha mais de 40 mil professores na avenida Paulista [no último domingo] e não vi uma linha nos jornais. Só noticiam quando é contra o governo [Dilma]”, criticou.

“O cidadão vive com esse massacre todo dia. Você acha que isso não repercute na opinião pública? Às vezes, até o que é a favor, fica torto”, disse. “É porque é uma verdadeira lavagem cerebral. Acho que todo esse processo está em consonância com o clima do País, com a supervalorização das manifestações que a mídia fez, o processo em curso, isso tudo repercute”.

“Qualquer governo tem altos e baixos. O momento político não é bom e todos são afetados. A presidente Dilma está segura. Já, no segundo semestre, retomamos o crescimento econômico”, acrescentou.

Conjuntural e momentânea – Segundo pesquisa CNT / MDA, a avaliação positiva do governo Dilma caiu para 10,8% em março, contra 41% em setembro do ano passado. O índice de desaprovação atual é de 77,7%, frente 44% em setembro. Para o líder do governo, no entanto, o resultado é “conjuntural” e “momentâneo”.

“Quem lutou, como nós lutamos, contra a Ditadura não pode se assustar com a voz das ruas. Já vi prefeito de capital rejeitado por 82% da população e que depois ganhou a reeleição”, argumentou.

Notícias relacionadas