menu

Brasil

09/05/2014


Direção nacional do Pros exige saída de ministro ligado a Cid

CEARÁ

Integrantes do Pros Nacional estão pressionando o governo Dilma Rousseff (PT) pela substituição do ministro Francisco Teixeira (Integração Nacional), indicado de Cid Gomes (Pros) na Esplanada dos Ministérios. Paralelamente, o deputado federal Danilo Forte (PMDB-CE) cobra que a bancada cearense se posicione contra a possível mudança, afirmando que ela seria “grande perda para o Estado”.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o líder do Pros na Câmara dos Deputados, Givaldo Carimbão (AL), disse ter conversado com o ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) sobre a substituição de Teixeira. “O não atendimento a esse pleito do partido dificulta muito uma aliança e o relacionamento num futuro próximo”, disse o deputado Salvador Zimbaldi (Pros-SP).

O Pros, inclusive, já ensaia uma aproximação com o PSB do presidenciável Eduardo Campos. Uma aliança como partido do ex-governador de Pernambuco criaria embaraços para Cid Gomes, que migrou da sigla comandada por Campos para o Pros justamente para apoiar a candidatura à reeleição da presidente Dilma Rouseff.

Por outro lado, Danilo Forte destaca “perfil técnico” de Teixeira e defende manutenção do cidista na pasta. “Ninguém pode entregar de mão aberta só porque um partido quer. É um desprestígio muito grande para o Ceará e para o governador Cid Gomes”, diz o peemedebista.

Segundo a coluna Panorama, do jornal O Globo, o Pros Nacional já teria inclusive destacado o nome de Marco Fireman, ex-secretário de Infraestrutura do governador de Alagoas, Teotônio Vilela (PSDB), para substituir Teixeira. “A bancada cearense precisa se mobilizar. Estamos aceitando isso passivamente. O governador precisa se pronunciar, pois é uma derrota para o Estado”, reforça Danilo.

Membros do Pros no Ceará minimizam a tensão em Brasília. O vice-governador do Estado, Domingos Filho, disse que “não existe crise alguma” no partido. Ele destacou que a indicação do ministro cabe ao PROS nacional. “Jamais o governador Cid iria superar uma decisão da executiva nacional do partido em uma discussão que é nacional, que não é estadual”, disse.

O presidente da Assembleia, Zezinho Albuquerque, destacou as respectivas responsabilidades para ocupação de cargos no Executivo: “Esse é um cargo de confiança. As pessoas colocam e tiram de acordo com a conveniência do Executivo, dos partidos. Enfim, esse é um problema da presidente Dilma”. (colaborou Leidyanne Viana)

(O Povo Online)

Notícias relacionadas