menu

22/03/2019


Dono do maior Shopping da Paraiba é preso por comandar esquema de desvios em Cabedelo

A Polícia Federal efetuou a prisão preventiva do empresário Roberto Santiago, no início da manhã desta sexta-feira (22), dentro da terceira fase da ‘Operação Xeque-Mate’, que visa desarticular um esquema criminoso de contratos de manejo do lixo e fraudes licitatórias na Prefeitura de Cabedelo. A ação é realizada em parceria com o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do Ministério Público da Paraíba (Gaeco/MPPB), com o auxílio da Controladoria Geral da União (CGU), que cumprem outros mandados de busca e apreensão, além de prisões.

Após ser dada a voz de prisão, Roberto Santiago foi encaminhado para sede da Acadepol, em João Pessoa, onde passou por exame de corpo delito. Nesse momento, ele está sendo encaminhado para a sede da Polícia Federal, localizada em Ponta de Campina, em Cabedelo.

O advogado Marcos Pires, que foi convocado para acompanhar o empresário, disse no início da manhã que ainda não tinha conhecimento sobre o que estava acontecendo.

As ordens de prisão e buscas foram expedidas pela 1ª Vara Criminal da Justiça Estadual de Cabedelo.

3ª FASE DA OPERAÇÃO

O cumprimento das medidas de busca e apreensão e prisão preventiva, na data de hoje, tem por objetivo inibir esquema de corrupção e fraudes licitatórias referentes aos contratos de manejo de resíduos sólidos (coleta de lixo) da Prefeitura de Cabedelo/PB.

Os contratos investigados superam a quantia de R$ 42 milhões. A operação contou com a participação de 65 Policiais Federais, sendo realizado o cumprimento de 11 mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados, nos Estados da Paraíba e Rio Grande do Norte, bem como 1 mandado de prisão preventiva.

Foram sequestrados 20 Imóveis dos investigados, avaliados em mais de R$ 6 milhões.

CRIMES INVESTIGADOS

Os investigados responderão pelos crimes de formação de organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e fraude licitatória, cuja penas, somadas, poderão chegar a mais de 30 anos de reclusão.

 

 

Notícias relacionadas