menu

Pernambuco

18/01/2017


Em Recife aumento de passagens de ônibus gera manifestação

Mifestantes realizaram um ato, na manhã desta quarta-feira (18), na Praça do Derby, na área central do Recife. De forma pacífica, eles protestaram contra o aumento da passagem de ônibus na Região Metropolitana do Recife, pedindo para as pessoas abandonarem o serviço e adotarem a bicicleta como meio de transporte. Na sexta-feira (13), o reajuste de 14,26% foi aprovado sob uma onda de protestos.


Os organizadores não divulgaram o número de participantes. Foi o segundo ato contra o reajuste de tarifas de coletivos no Grande Recife, em menos de 24 horas. Na tarde de terça-feira (17), um grupo de estudantes e integrantes de centrais sindicais se reuniu no Centro da capital pernambucana.


No ato desta quarta, a ideia era incentivar o uso de transportes alternativos. Com o aumento no preço da passagem, o coordenador-geral do Movimento Revolucionário Cidadão, Heraldo Lira, disse que foi obrigado a parar de andar de ônibus. Ele adotou a bicicleta como meio de transporte.


"Eu estou sendo obrigado, todo dia, a fazer essa troca. É impossível você sair em busca de emprego e pagar essa passagem. É um absurdo você ter um aumento do dobro da inflação em um transporte ruim, precário e sujeito a assalto", contou.


Na calçada da Praça do Derby, bem em frente a uma estação do BRT, eles exibiram cartazes e vestiram panos amarelos com os pedidos. O grupo ainda gritava palavras de ordem como "e se não baixar, a cidade vai parar".


Para o vendedor Alexsandro Gomes, integrante do movimento, as empresas de ônibus só entenderão que o povo não concorda com o aumento quando a população deixar de utilizar o serviço. "As pessoas precisam reagir, o cidadão precisa mostrar que não concorda e que as empresas não podem fazer o que bem entendem", disse.


Morador de Santo Amaro, Alexsandro menciona que pedala cerca de 20 minutos todo dia para chegar no trabalho. No início da manhã, os manifestantes tentaram conscientizar a população para contestar o aumento. Eles aproveitavam o momento em que os carros paravam nos semáfores para exibir os cartazes.

G1 com Redação

Notícias relacionadas