menu

Alagoas

16/07/2015


Estado pede intermediação de ministra na prorrogação de débitos rurais

Com a participação do secretário de Estado da Agricultura, Pesca e Aquicultura, Álvaro Vasconcelos, representantes dos governos estaduais de todo o país estiveram reunidos, na última terça-feira (14), em Brasília, com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu.

Na pauta apresentada pelo Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Agricultura (Conseagri), três pontos principais: o Plano Nacional de Defesa Agropecuária, lançado em maio pela ministra, a criação de um programa nacional de assistência técnica e extensão rural e a adoção de medidas emergenciais e preventivas contra os efeitos da seca.

Na reunião, Álvaro Vasconcelos pediu apoio da ministra Kátia Abreu nas negociações, junto às instituições financeiras públicas, para prorrogação das dívidas dos produtores rurais de todo o Nordeste.

“A ideia é de que todas as dívidas de crédito produtivo vencidas a partir de 1º de janeiro deste ano sejam prorrogadas, atingindo pequenos, médios e grandes agricultores nordestinos. Em Minas Gerais, foi aberto um precedente. Lá, um acordo entre o Banco do Brasil e o governo do Estado prorrogou todos os débitos”, lembrou o secretário.

De acordo com Vasconcelos, outros assuntos que afetam diretamente o Estado de Alagoas foram discutidos com a ministra, entre eles, o subsídio à cana de açúcar como forma de amenizar os efeitos da crise do setor sucroenergético.

“Pedimos à ministra Kátia Abreu para intervir nessa questão, agindo como interlocutora do setor junto ao Ministério da Fazenda. Para a maioria dos pequenos produtores de cana, esse subsídio é garantia de sobrevivência. Conversamos ainda sobre o retorno do milho subsidiado pela Conab para todo o Nordeste”, destacou.

A avaliação da ministra Kátia Abreu sobre a reunião desta terça-feira foi positiva. Ela destacou a importância do apoio dos secretários de Estado ao Plano Nacional de Defesa Agropecuária e a necessidade de reforçar a assistência técnica entre os pequenos produtores por meio da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater).

“O grande entrave aos pequenos produtores é que eles vendem barato seus produtos e compram caro seus insumos. Com cooperativismo, podemos ajudar a corrigir essas distorções”, disse.

Agência Alagoas

Notícias relacionadas