menu

Alagoas

15/01/2016


Estudantes desenvolvem bioplástico inovador

Amido de milho, batata inglesa, ácidos derivados de limão e laranja, farinha de trigo, vinagre e açúcar têm sido utilizados por estudantes de Química e Biologia do Instituto Federal de Alagoas (Ifal) em uma pesquisa que tem como foco o desenvolvimento sustentável. Os estudantes estão criando o "bioplástico inovador", uma alternativa ecológica e mais conveniente aos plásticos convencionais, devido à simplicidade de sua matéria-prima e à rapidez para se decompor na natureza.

A invenção foi desenvolvida no laboratório de Química do Ifal Campus Maceió e faz parte do projeto de extensão "Aperfeiçoamento do Amido termoplástico na produção de um bioplástico alternativo aos plásticos convencionais" iniciado no ano de 2013.

O objetivo da pesquisa, desenvolvida pelos bolsistas em pesquisa e produção do 4º ano do curso técnico de Química, Laís Vanessa e João Isidoro, e pela estudante do 5º período do curso superior de Biologia Hyngrid Assíria, era a criação de um "plástico verde pensado para o mercado", que tivesse resistência e usabilidade, baixo custo em sua fabricação, e que se decompusesse em no mínimo 45 dias. Orientados pela professora de Química Vânia Nascimento Tenório, o grupo desenvolveu vários polímeros (compostos químicos) utilizando componentes orgânicos derivados de produtos simples e de baixo custo como amido, batata e açúcar.

Os polímeros eram sempre compostos a partir de materiais naturais e de baixo custo, que eram substituídos a cada experiência até que fosse obtido o resultado ideal, sendo o amido a matéria-prima principal da composição. Enquanto Laís Vanessa e João Isidoro "testavam" os compostos e reagentes na composição do plástico ideal, Hyngrid Assíria verificava a decomposição de cada amostra de polímero criado pelos colegas, "acelerando" o processo de degradação em uma simulação de laboratório que envolvia a exposição a fungos de diferentes tipos.

Conforme as amostras iam se modificando com o passar do tempo, o grupo registrava os resultados e fazia ajustes na experiência para que o melhor termoplástico fosse obtido. "As amostras de polímeros foram cuidadosamente analisadas com base em padrões científicos e regras internacionais. No laboratório, pode-se acelerar um pouco a decomposição, para verificarmos as reações. Na natureza, demora mais um pouco", explica Hyngrid, ao comparar os efeitos da degradação dos componentes.

RESULTADO SURPREENDENTE

O resultado obtido foi animador: após anos de pesquisa, o grupo conseguiu obter um termoplástico (tipo de plástico dos mais encontrados no mercado, utilizado em embalagens, garrafas PET, CD´s, brinquedos, peças e outros materiais) resistente, durável e capaz de se decompor na natureza em um período de dois a três anos, intervalo de tempo curtíssimo comparado aos plásticos convencionais, que chegam a passar dos 100 anos para degradação.

A pesquisa inicial dos estudantes foi impulsionada por um experimento desenvolvido anteriormente no Peru, em que químicos utilizaram cana, batata, água e glicerina para obter o plástico, que embora considerado orgânico e sustentável, era quebradiço, frágil e sem resistência, o que tornou inviável sua utilização industrial. "Procuramos aperfeiçoar o experimento, reunindo resistência, espessura e textura em um plástico biodegradável e que pudesse ser utilizado pelas indústrias e rapidamente voltar à natureza", declara Laís Vanessa.

RECONHECIMENTO

A invenção dos jovens aguarda o registro de patente, que já foi solicitada à Pro-Reitoria de Pesquisa e Inovação (PRPI) do Ifal. Segundo a orientadora Vânia Nascimento, o Instituto tem a competência de registrar a patente, após certificação da pesquisa como algo realmente inédito.

O projeto também ganhou repercussão nacional quando foi apresentado no Congresso Norte e Nordeste de Pesquisa e Inovação – Connepi 2015, e foi aprovado para participar da Feira Brasileira de Ciência e Engenharia – Febrace 2016, que acontece de 14 a 18 de março deste ano, na USP de São Paulo. O grupo aguarda apoio do Instituto para fazer a inscrição na Febrace, que reúne anualmente as melhores inovações na área de ciências, química, tecnologia e engenharia da América Latina, e é considerado evento referência para instituições que tratem de pesquisa e inovação. 

Notícias relacionadas