menu

Política

24/04/2020


Ex-ministro reconhece que PT deu autonomia à PF e critica aparelhamento da polícia por Bolsonaro

Jair Bolsonaro quis trocar o comando da Polícia Federal para obter informações de investigações ligadas à sua família.

BRASIL 247 – Em pronunciamento à imprensa na manhã desta sexta-feira (24), Sergio Moro afirmou que o presidente da República, Jair Bolsonaro, quis trocar o comando da Polícia Federal para obter informações de investigações ligadas à sua família.

“O presidente me relatou que queria ter uma indicação pessoal dele para ter informações pessoais. E isso não é função da PF”, denunciou Moro. “Isso não é função do presidente, ficar se comunicando com Brasília para obter informações pessoais. Esse é um valor fundamental que temos que preservar dentro de um Estado democrático de direito”, declarou, citando novamente o nome da ex-presidente Dilma Rousseff, sobre quem já havia reconhecido ter dado autonomia à PF durante o período da Lava Jato.

Antes, Moro explicou que não era verdadeira a versão de que Maurício Valeixo, demitido da diretoria da PF, teria pedido para sair. “Há informações de que o Valeixo gostaria de sair, mas isso não é totalmente verdadeiro. O ápice da carreira de qualquer delegado é o comando da Polícia Federal. Depois de tantas pressões para que ele saísse, ele até manifestou que seria melhor sair”, detalhou.

“Temos que garantir a autonomia da Polícia Federal contra interferências políticas”, declarou. “Ele havia me garantido autonomia”. Moro disse ainda que “poderia ser alterado o diretor da Polícia Federal desde que houvesse uma causa consistente. Então realmente é algo que eu não posso concordar”. “Vou começar a empacotar minhas coisas e dar sequência à minha carta de demissão”, concluiu, sendo fortemente aplaudido pelos jornalistas.

Notícias relacionadas