menu

11/09/2017


Fortaleza terá primeira ciclovia-modelo do Brasil

Os ciclistas de Fortaleza terão um novo espaço de trânsito na capital a partir de um projeto-piloto elaborado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ministério das Cidades e a prefeitura da capital. A ciclovia-modelo, de 7 quilômetros, vai passar pelas avenidas Coronel Carvalho e Radialista José Lima Verde, no lado oeste da cidade, duas das mais movimentadas da região e que cortam quatro bairros.

O projeto-piloto faz parte do Programa de Mobilidade de Baixo Carbono, elaborado após o Acordo de Paris, firmado pela comunidade internacional para combater as alterações climáticas no mundo, e o compromisso do Brasil de reduzir as emissões de carbono até 2030. Brasília, Belo Horizonte e São Paulo também fazem parte do programa e serão responsáveis pela elaboração do caderno técnico de referência em mobilidade por bicicleta.

O estudante de biblioteconomia Ivan Ribeiro, de 35 anos, que pedala com frequência nas duas vias para ir ao trabalho, tem a bicicleta como principal meio de transporte na cidade. “Atualmente, há trechos dessas avenidas em que é relativamente tranquilo pedalar. Em outros, as pistas são estreitas, e é difícil dividir o espaço com os carros. Eu não me sinto totalmente seguro, pois esses trechos complicados são maioria.”

Fortaleza receberá a ciclovia-modelo por já ter uma ampla malha cicloviária, de 214 quilômetros, e contar com o Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI). Atualmente, os dois programas de bicicletas compartilhadas ativos na cidade (o Bicicletar, que dá uma hora de uso gratuito, e o Bicicleta Compartilhada, que permite passar 14 horas com o veículo) disponibilizam aos ciclistas mais de mil unidades. Somente o Bicicletar registra mais de 1,5 milhão de viagens desde sua implantação, em 2014.

“Com esta ciclovia e o caderno técnico de referência, planeja-se criar um benchmark [processo de comparação de produtos, serviços e práticas empresariais], para todo o país, do planejamento e construção de uma ciclovia que promova a mobilidade urbana sustentável”, afirma Karisa Maia Ribeiro, especialista sênior em transportes do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Um dos critérios usados para escolher as avenidas que receberão a ciclovia-modelo foi a possibilidade de integração com outras ciclovias e ciclofaixas existentes na região. Segundo o coordenador de Gerenciamento de Programas e Projetos da Secretaria da Infraestrutura de Fortaleza, os 7 quilômetros do projeto-piloto vão se somar a cerca de 20 quilômetros da estrutura para trânsito de bicicletas já existente, integrando, inclusive, o trecho da orla da Avenida Vila do Mar, no litoral oeste de Fortaleza.

“Acreditamos que, com segurança e com toda essa infraestrutura instalada, as pessoas vão mudar sua forma de deslocamento, optando por veículos não motorizados. Isso é um movimento em todo o país e, com esse investimento, pensamos que estamos mudando uma realidade”, disse Daher.

A construção da ciclovia-modelo vai custar US$ 1,5 milhão, e a obra deve começar em fevereiro do ano que vem. O projeto está sendo elaborado pela prefeitura da capital cearense em conjunto com uma consultoria especializada e vai passar ainda por consulta pública para receber sugestões da população.

Com a experiência de quem pedala nas avenidas, o estudante Ivan Ribeiro pergunta como vão ficaras muitas árvores que existem nessas vias. “Tem muitas árvores no canteiro central das avenidas. Eu me pergunto se vão tirá-las, pois sou contra a derrubada de árvores para fazer ciclofaixas.” Ele disse que também é preocupante o fato de essas vias não serem tão largas. “Querendo, ou não, existe o debate de que se tira o espaço do carro. Isso incomoda os motoristas e acaba gerando conflitos no trânsito.”

André Daher, entretanto, observou que a experiência de Fortaleza e de outras cidades brasileiras em termos de convivência entre carros e bicicletas vai trazer, por meio do caderno técnico, deve contribuir para o surgimento de soluções que tornem as vias mais seguras e o convívio com entre os usuários, mais tranquilo.

“Aqui na cidade, por exemplo, temos muitas ciclovias na área periférica, mas não há em todas elas o nível de conflito que há nas avenidas escolhidas para o projeto-piloto, que ficam em uma área bastante adensada. Haverá soluções com o maior número de dispositivos para garantir a segurança do ciclista”, acrescentou Daher. Ele destacou o aumento da sinalização e as travessias sobre canteiros e passeios.

Para Karisa, a adequação das cidades, já muito estruturadas para os veículos motorizados, para receber a bicicleta como modal de transporte, ocorre exatamente por meio de iniciativas que beneficiam a população com alternativas de mobilidade. Ela disse que também são fundamentais para mudar a forma de locomoção das pessoas nas cidades a prioridade ao transporte não motorizado e ao transporte público coletivo e a capacitação e a disseminação do conhecimento sobre planejamento da mobilidade urbana de baixo carbono.

Lançada em julho deste ano, a Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono de Fortaleza prevê redução de 20% Gás de Efeito Estufa (GEE) até 2030. A prefeitura estima que, desde 2012, a capital já conseguiu reduzir a emissão desses gases em 4%.

O Povo Online

Notícias relacionadas