menu

Ceará

04/11/2015


Gasolina vendida no estado é a mais cara do Nordeste

O preço médio da gasolina vendida no Ceará é o mais caro do Nordeste. Segundo relatório da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o litro do combustível no Estado atingiu R$ 3,66 no intervalo de uma semana. Depois do Ceará vêm a Bahia, com preço médio de R$ 3,64, e Alagoas, com R$ 3,62.

Para o levantamento foram contabilizados 162 postos de combustíveis no Estado. A pesquisa contempla os municípios de Fortaleza, Caucaia, Crateús, Crato, Iguatu, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Icó e Sobral. O valor mais alto foi encontrado em Crateús. O preço médio do litro da gasolina chega por lá a R$ 3,82. Em Fortaleza atinge R$ 3,67. A cidade com o preço médio mais barato é o Crato, com gasolina a R$ 3,55. O levantamento foi feito entre os dias 25 de outubro e 31 de outubro (último sábado).

Para o levantamento foram contabilizados 162 postos de combustíveis no Estado. A pesquisa contempla os municípios de Fortaleza, Caucaia, Crateús, Crato, Iguatu, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Icó e Sobral. O valor mais alto foi encontrado em Crateús. O preço médio do litro da gasolina chega por lá a R$ 3,82. Em Fortaleza atinge R$ 3,67. A cidade com o preço médio mais barato é o Crato, com gasolina a R$ 3,55. O levantamento foi feito entre os dias 25 de outubro e 31 de outubro (último sábado).

Na pesquisa de preço do etanol, o Ceará se encontra na terceira posição do Nordeste, com valor médio cobrado de R$ 2,79. Piauí (R$ 2,81) e Rio Grande do Norte (R$ 2,80) encabeçam o ranking dos maiores preços.

Entre municípios do Ceará, Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), tem o preço médio do litro do etanol mais caro: R$ 2,84. Na Capital, o valor é de R$ 2,79. Também na RMF, Maracanaú tem o menor preço, a R$ 2,73.

 

Aumento

Sobre o preço médio do combustível no Interior do Ceará, Antônio José Costa, assessor para assuntos econômicos do Sindicato dos Postos de Combustível do Ceará (Sindipostos-CE), esclarece que variáveis como impostos e custos logísticos acarretam na oscilação do preço da gasolina. “Não dá para fazer comparação entre municípios. Temos IPTU, logística e contratação de funcionários. Essa é a dificuldade”, esclarece.

Apesar de a gasolina ser mais cara no Ceará, ele diz que não há previsão de aumento para o produto este ano. “Não sabemos se haverá aumento ou não. O que vemos é uma dificuldade grande do mercado. As companhias aumentam o preço e nós temos condição de repassar”.

No caso do etanol, cuja variação em Fortaleza chegou a R$ 0,34 na semana passada, conforme levantamento do O POVO, a alta decorre do período de entressafra da cana-de-açúcar. Conforme a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), os aumentos dos preços do etanol resultam da livre disputa de mercado, cuja oscilação depende de uma série de fatores. Dentre eles produtores, distribuidores, varejistas e consumidores.

Átila Varela
Agência Brasil

Notícias relacionadas