menu

29/06/2019


Governador do Piaui condena atitude atribuida a Dallagnol e exige apuração com afastamento dos envolvidos

Por Walter Santos

O governador do Piaui, Wellington Dias, opinou neste sábado criticamente ao fato da denúncia veiculada pelo The Intercept envolvendo o procurador da República, Dallagnol, buscando meios de envolver o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, no segundo turno das eleições presidenciais em 2018, cujo foco era construir condição de até criar nova busca e apreensão na residência lider baiano com envolvimento contra Haddad.

-Reivindicamos a pronta e ágil apuração de tudo, com independência e transparência. É preciso também avaliar o afastamento dos envolvidos. Defendemos, ainda, a revisão ou anulação de todo e qualquer julgamento realizado fora da legalidade, declarou.

ABUSOS INTOLERANTES – Para o governador, “as seguidas revelações de conversas e acordos informais entre membros do Judiciário e do Ministério Público, em Curitiba, divulgadas pelo Theintercept.com e outros veículos de comunicação, são de muita gravidade. As conversas anormais configuram um flagrante desrespeito às leis, como se os fins justificassem os meios”.

Conforme adiantou: “Não se trata de pequenos erros; são vidas de seres humanos e suas histórias que se revelam alteradas em julgamentos fora das regras constitucionais, legais e éticas. Todos sabem que um juiz deve ser imparcial e por isso não pode se juntar com uma das partes para prejudicar a outra parte”.
E acrescentou: “acreditamos que a defesa da real imparcialidade dos juízes é um tema de alto interesse inclusive para eles próprios. Assim, manifestamos nossa confiança de que a imensa maioria dos magistrados e membros do Ministério Público que, com seriedade e respeito à lei fazem o verdadeiro combate à corrupção e outros crimes, podem apoiar as necessárias investigações nesse caso”.

GRAVIDADE ATUAL – Ele observou: “agora, um dos trechos das conversas divulgadas destacam o Procurador Deltan Dallagnol sugerindo busca e apreensão na residência do hoje Senador pela Bahia, Jaques Wagner. E a justificativa do coordenador da Lava Jato? “Questão simbólica”, ou seja, ao lixo o direito. É mais uma revelação de extrema gravidade.

E concluiu: “É inadmissível uma atuação que se denuncia ilegal entre membros do Ministério Público e do Judiciário, combinando previamente passos de uma importante investigação, com o intuito de perseguir e prender pessoas. Em discurso recente, na Cúpula Pan-Americana de Juízes, o Papa Francisco já demonstrou a sua preocupação com atos abusivos e de perseguição por meio de processos judiciais sem base legítima”.

Notícias relacionadas