menu

Brasil

27/10/2016


Governadores engrossam coro contra tratamento do Governo Temer

Os governadores do Nordeste, em geral, não estão satisfeitos com o tratamento que os estados estão recebendo do Governo Federal. No Rio Grande do Norte, Robinson Faria, afirma que a região Nordeste está “esquecida”. Já no Maranhão, Flávio Dino, diz que o país vive “caos institucional”. Os governadores do Ceará e da Paraíba solicitaram audiências para reclamar de questões que concernem o seus respectivos estados.


O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), se disse extremamente triste com o tratamento que o Estado vem recebendo do governo federal. "O Nordeste está esquecido e discriminado pelo governo federal. Hoje o Brasil é governado como se não existisse a região Nordeste. A mesma gravidade da crise financeira a qual enfrentamos é proporcional a gravidade com a qual o Nordeste vem sendo tratado. O governo atual está pior do que o anterior. Não vemos boa vontade em liberações de crédito para investimentos. Infelizmente, estamos esquecidos", disse.


Já o governador do Maranhão, Flávio Dino, que é advogado, professor de Direito e já foi juiz federal, afirmou que o "país vive um absoluto caos institucional". Segundo ele, o país só tem a perder quando os "Três Poderes estão em desarmonia interna e nas suas relações recíprocas".
Flávio criticou a falta de espaço para o debate de problemas nacionais, "tudo se resume a brigas e ao suposto combate à corrupção". Entretanto, para o governador, "a receita é simples e necessária: os políticos cuidam da política e das leis, os juízes cuidam dos autos e das sentenças, etc.".
O governador destacou ainda que tais modos realizados por membros do alto escalão do poder, aliado à "indústria de entretenimento", tentam passar uma imagem de "civilização do espetáculo", mas o que acontece internamente é o contrário.


O governador do Ceará, Camilo Santana, reclamou da paralisação das obras de Transposição do Sâo Francisco. Ele discutiu com o ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho a situação hídrica do Ceará e a importância da retomada imediata das obras da Transposição do Rio São Francisco. "Necessitamos de agilidade no retorno dessas obras que estão paralisadas, justamente no trecho entre Pernambuco e Ceará. Já estamos no quinto ano consecutivo de seca e não temos garantia de que teremos uma boa quadra chuvosa", citou o governador.

E ainda, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), disse que pedirá uma audiência com o presidente Michel Temer para assegurar verbas para o Estado e discutir o rebaixamento da Paraíba após relatório do Tesouro Nacional que apontou incongruências em dados fornecidos pelos estados.
Segundo o relatório do Tesouro, a Paraíba teria extrapolado as diretrizes da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) com gastos pessoais. Ricardo disse que vai acionar a justiça contra o rebaixamento fiscal imposto pelo Tesouro Nacional.


Entretanto, segundo o secretário de comunicação institucional do Governo, Luis Tôrres, tal resultado é fruto de uma queda na ordem de R$ 270 milhões no repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE) em comparação ao ano de 2015 – quando já havia sido registrada quedas.


 

Notícias relacionadas