menu

Maranhão

28/06/2015


Governo se posiciona sobre afirmações da Pastoral Carcerária

No site oficial do Governo do Estado do Maranhão, foi publicada neste sábado, 27, uma nota com o posicionamento da administração, sobre a nota atribuída à Pastoral Carcerária, que afirma o governador Flávio Dino tenha se exaltado durante reunião no Palácio dos Leões, realizada no mesmo dia.

A nota diz que Flávio Dino afirmou que 'nas penitenciárias e delegacias do Estado não é mais como antes. Mudou tudo e para melhor', e que as afirmações feitas teriam seido repatidas pelo coordenador da pastoral carcerária do Maranhão, que teria dito que nada era verdade.

Em seu posicionamento o governo diz que a informação é inverídica e explica o que de fato foi debatido entre os presentes na reunião.


Confira a nota na íntegra

1-A nota é absurdamente inverídica, pois jamais o governador do Estado afirmou que o sistema penitenciário estava perfeito e isento de problemas, tampouco se “descontrolou”. Frise-se que a reunião encontra-se gravada e terminou com uma festiva foto, com todos os participantes.

2 – O governador do Estado apenas respondeu a uma equivocada afirmação de que o sistema penitenciário “piorou” neste ano de 2015. Ao fazê-lo, resumiu os avanços e anunciou as medidas que serão adotadas para continuar melhorando. Lembramos que, neste ano, houve uma redução de 61% no número de fugas e de 63% no número de mortes, e nenhuma rebelião em Pedrinhas. Os dados são públicos e estão à disposição de todos.

3 – Na verdade, a nota atribuída à Pastoral Carcerária deriva da revelação de que um dos seus membros recebia remuneração indevida de uma empresa terceirizada no sistema penitenciário. O que gera, aí sim, reações prepotentes e descontroladas.

4 – Sobre a presença da Pastoral Carcerária em Pedrinhas, ela será sempre bem vinda, assim como tem sido bem recebidas todas as instituições que verdadeiramente querem melhorar a execução penal no Brasil. O governo do Maranhão vai continuar corrigindo os erros do sistema penitenciário, nos termos de Acordo assinado com o presidente do Supremo Tribunal Federal e outras autoridades.
 

O Imparcial

Notícias relacionadas