menu

Rio Grande do Norte

20/11/2015


Governo transfere 56 presos após destruição de presídio em Santa Cruz

A Coordenadoria de Administração Penitenciária do Rio Grande do Norte (Coape), ligada à Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc) transferiu os 56 presos que estavam no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Santa Cruz. Após a rebelião que resultou na destruição completa da unidade, na tarde de quinta-feira (19), a Coape disse que não havia condições de custodiar os detentos na atual situação.

Segundo o coordenador da Administração Penitenciária, Durval Franco, a rebelião dos presos foi motivada por ações de rotina dos agentes penitenciários. De acordo com ele, uma revista realizada na terça-feira (17), onde foram recolhidos celulares e drogas, e uma tentativa de fuga abortada na quarta-feira (18) foram os motivos pelos quais os detentos destruíram a unidade.

"Eles já estavam incomodados e sabíamos que cedo ou tarde poderia ocorrer algo assim, como de fato ocorreu. Agora eles precisam ser transferidos porque está tudo quebrado", explicou Durval Franco.

Para abrigar os presos, a Coape definiu cinco unidades: o presídio de Currais Novos receberá cinco detentos, Alcaçuz abrigará 28, 15 ficarão no Presídio Estadual de Parnamirim (PEP) e oito irão para o presídio Rogério Coutinho Madruga, o chamado pavilhão 5 de Alcaçuz. Os últimos inclusive, já tinham a transferência esperada por terem envolvimento com facções criminosas.

A Secretaria de Infraestrutura do Rio Grande do Norte (SIN) será a responsável pela recuperação do CDP de Santa Cruz.

Também na quinta-feira, detentas da ala feminina do Complexo Penal João Chaves realizaram motim na unidade. O presídio, que abriga 127 presas, foi danificado devido à queima de colchões que ocorreram no pátio. No entanto, ninguém se feriu. Ainda não há a confirmação sobre os motivos para a rebelião.

 

Notícias relacionadas