menu

Brasil

30/03/2014


Henrique Alves é lançado pré-candidato a governador

RIO GRANDE DO NORTE

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, pré-candidato ao governo do Estado do PMDB, segue para Brasília nesta segunda-feira (31) para conduzir as articulações que vão garantir o cumprimento da pauta de votações em plenário. O parlamentar descarta a possibilidade de se licenciar, neste primeiro momento, da presidência da Câmara, uma vez que os temas que vão entrar na pauta exigem atenção. “Temos uma agenda extensa para cumprir na Casa a partir de abril, e é preciso dar prioridade. Pretendo discutir de forma mais profunda a reforma política”, salientou o presidente.

Entre outras projetos que entram em votação ou discussão na Câmara estão a regulamentação da PEC das Domésticas e o que que transforma a corrupção em crime hediondo. Mesmo com a agenda apertada, o presidente afirma que será possível manter o cronograma do Congresso Nacional e as atividades como pré-candidato ao Governo do Estado. Henrique Alves pretende manter a agenda semanal, com visitas ao RN nas quintas-feiras e retorno à capital federal às segundas-feiras. Após o recesso parlamentar, em julho, ele pretende repensar a agenda, uma vez que as sessões da Casa também entram em regime diferenciado.

“Uma atividade não incompatibiliza a outra. Como pré-candidato, vou participar de algumas reuniões no interior do estado para preparar o nosso programa de governo”, justificou o presidente da Câmara. De acordo com Alves, o programa que está sendo preparado tem foco em ações voltadas para a recuperação da saúde pública, da segurança e da mobilidade urbana. “Temos uma pauta bastante variada, pois queremos ouvir diversos segmentos regionais. Assim, poderemos apresentar um programa consolidado na convenção do partido, ao final de junho”, pontuou.

O pré-candidato articula uma coalizão formada, inicialmente, por 12 partidos, que também congrega João Maia (PR), pré-candidato à vice-governador, e Wilma de Faria (PSB), pré-candidata ao Senado Federal. Entretanto, o deputado não descarta o crescimento da base de apoio. “Estamos conversando com outros oito partidos que podem se juntar a nós”, revelou. A coalização pode reunir, ainda, legendas diametralmente opostas, como o Partido Comunista do Brasil (PcdoB), o Partido Popular Socialista (PPS), Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e o Partido Humanista da Solidariedade (PHS).

O parlamentar esclareceu, em entrevista à TRIBUNA DO NORTE, que a aliança com o PSB estadual, representado por Wilma, não determinará o seu apoio ao pré-candidato da legenda à presidência da República – Eduardo Campos, governador de Pernambuco. “O candidato Eduardo Campos tem o seu espaço natural no estado e é repeitado. Mesmo assim, há um respeito na minha aliança com Wilma. O meu apoio continua à chapa definida pelo PMDB, que é representada pelo nosso vice-presidente, Michel Temer”, reiterou.

Na presidência da Câmara dos Deputados há quase dois anos, Henrique Eduardo Alves é o segundo na linha sucessória da República. Cabe ao presidente da Câmara ocupar o Poder Executivo na ausência da presidenta, Dilma Roussef, e do vice, Michel Temer. Entretanto, ele afirma que deixar as atividades do Legislativo, após 44 anos como deputado federal e 11 mandados, é uma obrigação no atual momento do Rio Grande do Norte.

“Se eu fosse me candidatar a reeleição, era certeza que teria sucesso. Mas chegou a hora de assumir uma convocação que não foi feita, de oferecer meus serviços ao estado. O estado está completamente quebrado, apesar de ser rico em petróleo, de ter um aeroporto moderno em construção e as eólicas em funcionamento. É preciso restaurar a confiança do povo no estado”, avaliou.

Pré-candidatura
A pré-candidatura de Henrique Eduardo Alves foi lançada na última sexta-feira, no Hotel Praiamar, em Ponta Negra. O evento lotou o auditório com evento, e contou com a presença do ministro da Previdência Social, Garibaldi Filho (PMDB), o prefeito da cidade, Carlos Eduardo (PDT), e o presidente da Assembleia Legislativa, Ricardo Motta (PROS). O tom das lideranças foi de aliança em prol da retomada do desenvolvimento do Rio Grande do Norte.

O presidente da Câmara dos Deputados teve um leve mal-estar após o lançamento da pré-candidatura, e saiu do evento sem falar com a imprensa. Segundo Alves, o mal-estar foi causado por uma crise de hipoglicemia, que se resolveu logo. Ele também credita o mal-estar à grande comoção que tomou conta do evento.
 

Notícias relacionadas