menu

Economia

10/09/2015


Inflação desacelera a 0,22% em agosto; índice chega a 9,53%

A inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), desacelerou para 0,22% em agosto, ante 0,62% registrada em julho. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (10), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em agosto de 2014, o indicador variou 0,25%. O índice é o menor para os meses de agosto desde 2010, quando registrou 0,04%.

Em relação ao acumulado de janeiro a agosto, no entanto, foi a taxa mais elevada desde 2003 (7,22%). Considerando os últimos 12 meses, o índice de inflação chegou a 9,53%.

A taxa é superior ao teto da meta da inflação do governo federal para este ano, que é de 6,5%. Segundo o IBGE, em julho, a taxa acumulada em 12 meses havia ficado em 9,56%.

Desaceleração da inflação

De julho para agosto, vários itens ficaram mais baratos, com destaque para as passagens aéreas, cuja queda de 24,90%. Puxado pelas passagens aéreas, o grupo transportes ficou em 0,27% negativo.

No grupo alimentação e bebidas, que caiu -0,01%, itens importantes tiveram redução no preço, destaque para a batata-inglesa (-14,75%), o tomate (-12,88%) e a cebola (-8,28%), que foram os itens que mais tiveram redução de preço.

"Já esperávamos esse recuo no índice geral, fortalecido pelo custo da alimentação, em decorrência da oferta de alimentos favorecida pela safra o que modera os preços tradicionalmente nesta época. Esse grupo é muito importante no índice, representado um quarto do orçamento das famílias. No próximo mês já estaremos na entressafra, com menor oferta de alimentos, mas não dá para prever o comportamento porque existem uma série de questões, inclusive a climática." Em agosto do ano passado, o recuo desse grupo foi de 0,15%.

Dos nove grupos que compõem o indicador apenas três registraram alta na variação: vestuário, residência e educação.

Segundo o IBGE, o grupo educação registrou taxa mais alta no mês, com a variação dos preços de cursos regulares (0,78%), enquanto os cursos diversos (informática, idioma, etc) apresentaram alta de 1,62%.

Confira a variação dos grupos, de julho para agosto:

Alimentos e bebidas: de 0,65%, em julho, para -0,01% em agosto

Habitação: de 1,52%, em julho, para 0,29% em agosto

Artigos de residência: de 0,86%, em julho, para 0,37% em agosto

Vestuário: de -0,31%, em julho, para 0,20% em agosto

Transportes: de 0,15%, em julho, para -0,27% em agosto

Saúde e cuidados pessoais: de 0,84%, em julho, para 0,62% em agosto

Despesas pessoais: de 0,61%, em julho, para 0,75% em agosto

Educação: de 0%, em julho, para 0,82% em agosto

Comunicação: de 0,30%, em julho, para 0,14% em agosto

Entenda o IPCA

O IPCA, calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do País, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

Para cálculo do IPCA do mês foram comparados os preços coletados no período de 30 de julho a 27 de agosto de 2015 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de junho a 29 de julho de 2015 (base).

IG 

Notícias relacionadas