menu

Brasil

04/12/2013


Jackson e os sergipanos se despedem de Déda

SERGIPE

Após uma longa cerimônia de despedida, com velório aberto à visitação pública e homenagens militares destinadas a chefes de Estado, o ato fúnebre onde os sergipanos se despediram de Marcelo Déda contou com uma carreata até o Aeroporto Santa Maria, de onde o corpo embarcou para ser cremado na Bahia. O trajeto foi marcado por demonstrações de respeito, admiração e carinho do povo ao seu governante, com uma multidão saudando o cortejo fúnebre por ruas e avenidas da capital.

“Este é um momento que representa o que é Marcelo Déda para o povo sergipano. Neste momento, o melhor que temos a fazer é pedir orações de todos para que fortaleça Eliane Aquino ainda mais, ela que se transformou numa gigante, e também pedir a Deus que o receba em seu reino e em toda a sua plenitude. Como fora um desejo seu, o seu povo teve a última oportunidade de vê-lo no meio da praça, já que o palácio não teve condições de receber uma multidão tão grande. O que vimos nas ruas, com pessoas oriundas dos vários municípios sergipanos, também demonstra todo esse amor e respeito do povo sergipano por Marcelo Déda, um dos maiores homens públicos da história de Sergipe e do Brasil”, sentenciou, emocionado, o governador em exercício, Jackson Barreto.

Dimensão

Para o amigo do governador, ex-ministro da Saúde e atual senador da República por Pernambuco, Humberto Costa, a despedida promovida pelo povo sergipano é a demonstração do amor do povo sergipano e da dimensão do político Marcelo Déda. “Aqui temos a demonstração cabal de que Marcelo Déda era um líder amado e venerado por seu povo. Ele foi o ícone de uma nova geração de políticos comprometidos em modificar os paradigmas sociais. Com sua capacidade de articulação, de unir e aglutinar pessoas, além de sua retórica, Marcelo Déda, sem dúvida, faria a diferença em qualquer cargo que ocupasse. É motivo de orgulho para mim ter convivido e aprendido com ele”, sentenciou o senador.

Já a primeira dama, Eliane Aquino, também fez questão de revelar que sua tristeza foi um pouco aplacada diante da demonstração de amor dada pelo povo sergipano. “Temos aqui várias caravanas do interior, gente que veio de muito longe, enfrentou sol, fome e está aqui para trazer o seu adeus a Marcelo Déda. Isso era tudo o que ele queria. Meu coração fica muito feliz e muito agradecido à toda população do Estado de Sergipe. Tudo na vida de Marcelo Déda foi muito intenso, ele nunca foi um homem de fazer nada medianamente, e o seu sepultamento também teria de ser muito intenso, com essa demonstração do povo, a homenagem dos artistas locais e a emoção presente nas ruas. Aprendi muito nesses meus 16 anos de convivência com Marcelo Déda e uma das coisas que mais assimilei foi o amor ao povo sergipano, que agora sinto ser retribuído em múltipla intensidade”, afirmou Eliane Aquino.

Na sequência, com a chegada do carro do Corpo de Bombeiros com o corpo do governador Marcelo Déda, foi realizada uma solenidade de despedida e a urna funerária foi embarcada numa aeronave da Força Aérea Brasileira, onde também embarcaram os familiares, com destino à Salvador (BA), onde ocorreu a cerimônia de cremação, também atendendo a um pedido do governador Marcelo Déda.

 

Assessoria

Notícias relacionadas