menu

Bahia

17/03/2016


Jaques Wagner: ‘grampo de Lula e Dilma foi uma arbitrariedade

Recém-nomeado para o Gabinete Pessoal da Presidência da República, Jaques Wagner, que deixou a Casa Civil para entrada do ex-presidente Lula, disse há pouco que a gravação telefônica entre a presidente Dilma Rousseff e Lula "foi uma arbitrariedade".

"Não se pode violar ou interceptar o telefone da presidente da República. Isso fere a segurança dela. Não sabemos como ele (o juiz Sérgio Moro) conseguiu violar o sistema da presidente", afirmou o Wagner, por meio de sua assessoria de imprensa.

O ministro disse ainda que é favorável às investigações, mas ponderou que "grampo é inadmissível".

Ainda segundo Jaques Wagner, a conversa entre Dilma e Lula, que foi nomeado na Casa Civil na tarde de hoje, "foi interpretada fora do contexto". "Os diálogos estão sendo interpretados fora do contexto para criar fato político negativo".

Brasil 247

Notícias relacionadas