menu

Brasil

09/11/2013


Kassab mandou arquivar investigação de fraudes, diz auditor

ESCÂNDALO EM SP

O ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) mandou arquivar um procedimento aberto para apurar denúncia de que o chefe da arrecadação de sua gestão enriqueceu de forma ilícita, afirma o próprio servidor em grampo obtido pela Folha. Kassab diz que as acusações do servidor são "mentirosas" e que repudia tentativas "sórdidas" de envolver o seu nome.

Foi preso na semana passada sob a acusação de liderar um esquema de cobrança de propina de grandes incorporadoras em troca de redução de ISS, no período em que exerceu a função.

Em 2012, Rodrigues era alvo de um expediente interno (uma investigação preliminar) aberto a partir de uma denúncia anônima para investigar o seu elevado patrimônio –que, agora, descobre-se, é incompatível com seus rendimentos.

Na gravação, ele relata a outro fiscal como, em sua versão, o ex-prefeito decretou o fim da apuração. "Vou dizer o que o corregedor [Edilson Bonfim] fez comigo. Ele pegou a declaração de bens da prefeitura, com a evolução patrimonial, foi no Kassab", conta.

Segundo ele, a conversa entre o corregedor e Kassab lhe foi relatada pelo chefe-de-gabinete do então prefeito.

"Isso o João Francisco Aprá, chefe-de-gabinete do Kassab, me contando. Ele falou: 'olha, a evolução é compatível, mas eu queria abrir a conta dele'. E o Kassab: 'não, não tem motivo'. E falou: 'então arquiva'. Arquivou."

Em setembro de 2012, Rodrigues chegou a ser ouvido, mas o procedimento não chegou a resultar na abertura de uma investigação formal.

Kassab, em nota, alega que a apuração, mesmo preliminar, foi transferida para a administração Haddad. A gestão petista diz que o procedimento se "limitou a ouvir o investigado" e que "nenhum encaminhamento foi dado à época e o processo ficou parado".

No áudio, Rodrigues conversa com o fiscal Luiz Alexandre Cardoso de Magalhães, conhecido como "Louco". Foi Magalhães quem gravou a conversa neste ano –ela foi anexada às investigações da máfia do ISS.

"Louco" fez um acordo de delação premiada com o Ministério Público para ter sua pena reduzida. Ele contou aos promotores do caso que gravou os fiscais que atuavam com ele para se proteger.

No fim da gestão Kassab, o o auditor acusado de liderar o esquema de fraudes foi alvo de outra investigação, esta arquivada após parecer do então secretário de Finanças Mauro Ricardo. Na gestão Haddad, ele ocupou até junho o cargo de diretor da SPTrans.

Notícias relacionadas