menu

Brasil

29/12/2015


Lava Jato: Confira em que pé está Operação; maioria dos presos não é do PT

Na Revista NORDESTE

Por Pedro Callado

Em 15 de dezembro a Polícia Federal iniciou a 22ª fase da Operação Lava-Jato, cumprindo 53 mandados de busca e apreensão em 7 estados e no Distrito Federal. A ação foi denominada de Catilinárias, nome dado ao discurso do cônsul romano Cícero contra o senador Catilina, que planejava derrubar o governo e tomar o poder. Um dos alvos desta ação é o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).


Ironicamente, o peemedebista foi a primeira grande notícia de 2015 relacionada a Lava-jato. O deputado, que na ocasião articulava para se eleger presidente da Câmara, foi apontado pelo ex-policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho como beneficiário do esquema de corrupção da Petrobras. Claro que o deputado negou tudo.


A Operação Lava-Jato, comandada pelo Juiz Federal Sérgio Moro, foi deflagrada em março de 2014, quando o doleiro Alberto Youssef, acusado de comandar o esquema, e mais 16 foram presos pela PF. Ao longo daquele ano foram presos também, de forma preventiva, os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Renato Duque. O lobista Fernando Baiano, acusado de ser o operador do esquema, se entregou na sede da PF. Já em 2015 foi preso mais um ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.


Este é um ponto controverso em relação à operação. Há quem diga que Moro tem uma conduta excessiva e seletiva no comando da Lava-Jato e que este seria um comportamento que não está de acordo com o Código de Ética da Magistratura. As maiores críticas contra o juiz são por conta do grande número de prisões preventivas e da insistência em fazer acordos para obter delações premiadas. O ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, por exemplo, considera que as prisões preventivas são um atentado aos direitos da Constituição e cobrem de vergonha a sociedade civilizada.


Por outro lado, o colega de Zavascki, ministro Marco Aurélio Mello, pensa diferente. Para ele, os “excessos” do Juiz Moro são necessários para que o país possa ter melhores dias. “Mil vezes ter-se até mesmo o excesso do que a apatia”.


UMA MEDIDA PARA TODOS
Em janeiro, a presidente da Petrobras, Graça Foster, apresentou cálculo de prejuízo de R$ 86 bilhões com a corrupção. Após uma semana, Foster e mais cinco renunciaram aos cargos.


Em um ano de operação, ainda não haviam condenados. Moro continuou com prisões preventivas, incluindo sócios e donos de grandes empreiteiras, como Marcelo Odebrecht e Otávio de Azevedo (Andrade Gutierrez). Em julho a PF cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do senador Fernando Collor, levando três carros de luxo na ação: uma Ferrari, um Porsche e uma Lamborghini.

As investigações apontam que o ex-presidente recebeu R$ 26 milhões em propinas. Em setembro, a PF, pediu autorização do STF para interrogar o ex-presidente Lula. Na justificativa, alegou que Lula, “na condição de mandatário do país, pode ter se beneficiado pelo esquema na Petrobras”. Lula foi ouvido como informante em dezembro, não existe investigação contra o ex-presidente.

Os últimos a serem presos foram o ex-líder do governo no senado Delcídio do Amaral (PT, ex-PSDB) e seu assessor, além do banqueiro André Esteves. Já foi recuperado R$ 2,4 bilhões para a União e 63 pessoas foram condenadas pela Justiça, incluindo políticos, empresários, ex-diretores da Petrobras e laranjas. 54 políticos, estão sendo investigados. Desses 54, 32 são partidários do PP, outros 10 são filiados ao PMDB e 8 são petistas. Outros três investigados são do PSDB, PSB e PTB e mais um é sem partido.
 

Condenados na Lava Jato

Agenor Franklin Magalhães Medeiros
diretor-presidente da Área Internacional da OAS

Alberto Youssef
doleiro e operador do esquema de corrupção

Carlos Alberto Pereira da Costa
laranja de Youssef em empresas de fachada

Carlos Habib Chater
dono do Posto da Torre, em Brasília

Cleverson Coleho de Oliveira
motorista da doleira Nelma Kodama

Dalton dos Santos Avancini
ex-presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa

Ediel Viana da Silva
funcionário do Posto da Torre

Eduardo Hermelino Leite
ex-vice presidente da Camargo Côrrea

Esdra de Arantes Ferreira
sócio e diretor do laboratório-fantasma Labogen

Faiçal Mohamed Nacirdine
empresário que atuava com a doleira Nelma Kodama

Fernando Antônio Falcão Soares
lobista conhecido como Fernando Baiano

Fernando Augusto Stremel Andrade
funcionário da OAS

Iara Galdino da Silva
doleira

Jayme Alaves de Oliveira Filho
agente da Polícia Federal

João Ricardo Auler
ex-presidente do Conselho de Administração da Camargo Côrrea

José Aldemário Pinheiro Filho
presidente da OAS

José Ricardo Nogueira Breghirolli
apontado como contrato de Youssef com a OAS

Juliana Cordeiro de Moura
laranja de empresas que atuava com a doleira Iara Galdino

Júlio Gerin de Almeida Camargo
ex-consultor da Toyo Setal

Leandro Meirelles
laranja de Youssef no laboratório-fantasma Labogen

Leonardo Meirelles
laranja de Youssef no laboratório-fantasma Labogen

Lucas Pace Júnior
responsável por remessas fradulentas ligadas à doleira Nelma Kodama

Marcio Andrade Bonilho
sócio e administrador da importadora Sanko-Sider

Maria Dirce Penasso
mãe de Nelma Kodama e laranja em empresas de fachada

Mateus Coutinho de Sá Oliveira
ex-funcionária da OAS

Nelma Mitsue Penasso Kodama
doleira

Nestor Cunat Cerveró
ex-diretor da Área Internacional da Petrobras

Paulo Roberto Costa
ex-diretor de Abastecimento da Petrobras

Pedro Argese Júnior
sócio da atacadista de medicamentos Piroquimica

Renê Luiz Pereira
traficante de drogas, ligado a Youssef

Rinaldo Gonçalves de Carvalho
ex-gerente-assistente do Banco do Brasil

Waldomiro Oliveira
laranja de Youssef em empresas de fachada

Renato de Souza Duque
ex-diretor de Serviços da Petrobras

João Vaccari Neto
ex-tesoureiro do PT

Augusto Ribeiro de Mendonça Neto
ex-executivo da construtora Toyo Setal

Adir Assid
empresário paulista que promove shows e eventos

Dario Teixeira Alves Júnior
laranja de empresa de fachada

Sonia Mariza Branco
laranja do operador Adir Assid

Pedro José Barusco Filho
ex-gerente-executivo de Serviços e Engenharia da Petrobras

Mario Frederico Mendonça Goes
operador do esquema e lobista

André Luiz Vargas Ilário
ex-deputado federal pelo PT

Leon Denis Vargas Ilário
irmão do ex-deputado André Vargas

Ricardo Hoffmann
publicitário e diretor da filial de Brasília

André Catão de Miranda
funcionário do Posto da Torre, do doleiro Carlos Habib Chater

Fábio Correa
filho do ex-deputado Pedro Corrêa

Márcia Danzi Russo Correa de Oliveira
nora do ex-deputado Pedro Corrêa

Pedro Corrêa
ex-deputado federal pelo PP

Ivan Vernon Gomes Torres Júnior
ex-funcionário do ex-deputado Pedro Corrêa

Rafael ngulo Lopez
braço direito do doleiro Alberto Youssef

 ngelo Alves Mendes
vice-presidente da Mendes Júnior

José Humberto Cruviniel Resende
engenheiro da Mendes Júnior

Rogério Cunha de Oliveira
diretor da área de Óleo e Gás da Mendes Júnior

Alberto Elísio Volaça Gomes
representante da Mendes Júnior

Sergio Cunha Mendes
diretor vice-presidente executivo da Mendes Júnior

Mário Lúcio de Oliveira
diretor de uma agência de viagens que atuava na empresa GFD

Enivaldo Quadrado
ex-dono da corretora Bônus Banval, que atuava na área financeira da GFD

João Procópio Junqueira Pacheco de Almeida Prado
executivo em empresa de Youssef

Antonio Carlos Fioravante Brasil Pieruccini
advogado acusado de receber propina e ocultar bens de Youssef

Luiz Argôlo
ex-deputado federal pelo SD

Erton Medeiros Fonseca
executivo da Galvão Engenharia

Jean Alberto Luscher Castro
executivo da Galvão Engenharia

Dario de Queiroz Galvão
ex-presidente da Galvão Engenharia

Gerson de Mello Almada
ex-vice-presidente da empreiteira Engevix

 

 

POLÍTICOS INVESTIGADOS

 

ANIBAL GOMES
deputado federal PMDB – CE

ROSEANA SARNEY
ex-governadora PMDB – MA

EDUARDO CUNHA
presidente da Câmara PMDB – RJ

RENAN CALHEIROS
presidente do Senado PMDB – AL

VALDIR RAUPP
senador PMDB – RO

ROMERO JUCÁ
senador PMDB – RR

EDISON LOBÃO
senador e ex-ministro da Energia PMDB – M

LUIZ FERNANDO PEZÃO
governador PMDB – RJ

SÉRGIO CABRAL
ex-governador PMDB – RJ

REGIS FICHTNER
ex-chefe da Casa Civil do RJ PMDB – RJ

ARTHUR LIRA
deputado federal PP – AL

ROBERTO BRITTO
deputado federal PP – BA

SANDES JÚNIOR
deputado federal PP – GO

AGUINALDO RIBEIRO
deputado federal PP – PB

LUIZ ARGÔLO
ex-deputado do PP, hoje no SD PP – BA

PEDRO CÔRREA
ex-deputado PP – PE

MÁRIO NEGROMONTE
ex-ministro das Cidades PP – BA

Notícias relacionadas