menu

Brasil

20/01/2016


Lava Jato: PSDB entra na justiça pedindo extinção do PT após delação

O PSDB entrou na Justiça nesta quarta-feira 20 pedindo, entre outros pontos, a extinção do Partido dos Trabalhadores. De acordo com nota divulgada pelo partido, o vice-presidente jurídico e líder da sigla na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP), protocolou uma representação junto à Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) em que pede investigação do suposto recebimento de recursos de origem estrangeira em benefício do PT.

Se confirmada a prática, o tucano pede ainda que seja "promovida ação judicial de extinção do Partido dos Trabalhadores". A denúncia sobre o suposto repasse foi feita pelo ex-diretor da Petrobras e delator da Operação Lava Jato Nestor Cerveró. "É uma denúncia gravíssima, apresentada por um integrante da quadrilha que operava o Petrolão, e que precisa ser investigada", comenta Sampaio.

O mesmo Cerveró também delatou aos investigadores o pagamento de US$ 100 milhões em propina para o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, na venda da empresa argentina Pérez Companc pela Petrobras durante o governo tucano. Sampaio não diz uma palavra sobre esta denúncia.

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pelo PSDB:

PSDB pede investigação sobre recursos do exterior em campanha do PT

O vice-presidente jurídico do PSDB e líder da bancada na Câmara, Carlos Sampaio (SP), protocolou representação junto à PGE (Procuradoria-Geral Eleitoral) em que requer investigação sobre o recebimento de recursos de origem estrangeira em benefício do PT e, confirmada a prática, seja também promovida ação judicial de extinção do Partido dos Trabalhadores.

A ação do PSDB baseia-se em informações prestadas pelo ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, à PGR (Procuradora-Geral da República) de que a campanha de Lula, em 2006, recebeu R$ 50 milhões em propina, provenientes de uma negociação para a compra de US$ 300 milhões em blocos de petróleo na África em 2005.

"É uma denúncia gravíssima, apresentada por um integrante da quadrilha que operava o Petrolão, e que precisa ser investigada", afirmou Sampaio.

A Constituição Federal proíbe os partidos políticos de receberem de entidades e governos estrangeiros quaisquer recursos financeiros. Ao disciplinar a norma constitucional, a Lei dos Partidos Políticos prevê, após trânsito em julgado de decisão, o cancelamento do registro civil e do estatuto do partido que tenha infringido a norma.

"Ainda na CPI da Petrobras, em abril do ano passado, disse que o tesoureiro do PT seria preso e o PT, extinto. Dias depois, João Vaccari foi detido e continua preso até hoje. A extinção do PT está muito próxima: é uma questão de tempo e do avanço das investigações", afirmou Sampaio.

Notícias relacionadas